OMT: Turistas internacionais caem 65% na primeira metade de 2020

OMT: Turistas internacionais caem 65% na primeira metade de 2020

A chegada de turistas internacionais caiu 93% em junho face a igual mês de 2019, segundo os últimos dados da Organização Mundial do Turismo (OMT), revelando o grande impacto da Covid-19 no setor. De acordo com o novo número do Barómetro do Turismo Mundial do organismo, a chegada de turistas internacionais reduziu-se 65% no primeiro semestre do ano. Trata-se de uma quebra sem precedentes provocada pelo encerramento das fronteiras em todo o mundo e a introdução de restrições de viagens como resposta à pandemia.

Nas últimas semanas, cada vez mais destinos começaram a abrir-se de novo a turistas internacionais. A OMT informa que, no início de setembro, 53% dos destinos aligeiraram as restrições de viagens. Porém, muitos governos mantêm-se cautelosos, e este último relatório mostra que os confinamentos impostos durante a primeira metade do ano tiveram um impacto avassalador no turismo internacional. A queda drástica e repentina das chegadas colocou em risco milhões de postos de trabalho bem como inúmeras empresas.

Segundo a OMT, a queda da procura de viagens internacionais entre janeiro e junho de 2020 traduz-se numa perda de 440 milhões de chegadas internacionais e em torno de 460.000 milhões de dólares em receitas de exportação provenientes do turismo internacional. As perdas em receitas por turismo internacional multiplicam por cinco as registadas na crise económica e financeira global de 2009.

Apesar da reabertura gradual de vários destinos desde a segunda metade de maio, a melhoria antecipada do número de turistas internacionais na época alta do verão no hemisfério norte não se materializou. A Europa foi a segunda região do mundo mais afetada, com uma descida de 66% do número de chegadas de turistas na primeira metade de 2020. As Américas (-55%), África e Médio Oriente (ambas – 57%) sofreram também. Mas a região da ásia e Pacífico, a primeira a sentir o impacto da Covid-19 no turismo, foi a mais afetada, com uma quebra de 72% dos turistas no semestre.