Opinião: “Competências para a VIDA: O que podem os líderes atuais aprender com a Hotelaria e as Artes Liberais”

Opinião: “Competências para a VIDA: O que podem os líderes atuais aprender com a Hotelaria e as Artes Liberais”

Por Georgette Davey, diretora do Glion Institute of Higher Education

O Ensino da Hotelaria: um approach único

Estudar hotelaria oferece uma excelente base fundadora não apenas para futuros diretores de hotéis, mas também para futuros líderes empresariais e empreendedores. Entre as inúmeras licenciaturas que os estudantes podem escolher atualmente, a de direção hoteleira tem por base a interdisciplinaridade e o foco num conhecimento vasto em diversas matérias. Os programas de Hotelaria oferecem um equilíbrio único entre teoria académica e experiência, misturando artes liberais, gestão ou culinária de forma a prepararem os estudantes com várias competências.

Mas nem sempre foi assim. As primeiras escolas de hotelaria estavam centradas na natureza, devido à necessidade de treinar colaboradores para uma indústria de turismo essencialmente burguesa. A Suíça, considerada por muitos o local de nascimento da hotelaria, é também o país com o primeiro curso de gestão hoteleira surgido no final do século XIX.

Experiência: O centro do ensino em hotelaria

O modelo Suíço de educação há muito que combina teoria e prática e as instituições de ensino em hotelaria deste país, continuam a estar na linha da frente nesta área até aos dias de hoje. Uma educação baseada nas artes liberais desenvolve a capacidade de auto-reflexão e pensamento crítico – competências vitais para os líderes atuais e futuros, os responsáveis por inovar e reinventar o turismo num momento de grandes desafios. Por outro lado, a experiência é essencial para construir uma carreira neste setor. Ao ganhar experiência em diversas áreas como cozinha ou serviço, receção, limpeza, marketing ou gestão, os estudantes expandem também as denominadas soft skills, primordiais para uma carreira no setor.

Da Cozinha ao Empreendedorismo: o desenvolvimento de competências essenciais

A componente prática traz disciplina, rigor e precisão, elementos que estão de mãos dadas com a ética suíça no trabalho. Na cozinha, por exemplo, os estudantes aprendem organização e aprendem por si a importância do trabalho de equipa para um resultado fantástico, uma combinação única de liderança e equipa.

O desenvolvimento destes valores de excelência e atenção ao detalhe são a chave para cultivar talento para mercados competitivos como o do luxo ou o de unidades hoteleiras de 5 estrelas. Com este universo em mente, o Glion Institute of Higher Education abriu recentemente o “Le Bellevue”, um restaurante gerido por alunos sobre a orientação de profissionais hoteleiros galardoados.

Aberto ao público e localizado num edifício da Belle Époque sobre o Lago Geneva e os Alpes, Le Bellevue oferece uma experiência gastronómica moderna e de luxo, na qual os estudantes de todos o mundo desenvolvem competências em gastronomia e guest relations. Esta forma de ensino tem levado uma percentagem significativa dos estudantes da Glion a abrirem o seu próprio negócio ou dar continuidade a negócios de família, mas com uma abordagem moderna e sustentável.

A Caixa de Ferramentas do Sucesso

Tendo em conta as tendências de ensino e o perfil dos empregadores do setor, o desafio para o ensino na hotelaria está na combinação perfeita das denominadas hard & soft skills.
Se é do senso comum a importância das hard skills as soft skills têm ganho cada vez mais protagonismo e são consideradas essenciais neste setor. A capacidade de resolver problemas, comunicar, saber ouvir, empatia, sensibilidade são consideradas primordiais na seleção de um colaborador e não apenas no setor do turismo. O Projeto Aristóteles, um estudo de 2017 promovido pela Google, destaca que as sete qualidades de sucesso de um colaborador numa empresa são todas soft skills. Alguma dúvida?

Este artigo foi publicado na edição 319 da Ambitur.