Passageiros transportados em avião e comboio aumentam no 2.º trimestre

Passageiros transportados em avião e comboio aumentam no 2.º trimestre

Categoria Business, Transportes

O movimento de passageiros por via aérea e ferroviária continuou a aumentar em Portugal no segundo trimestre, em termos homólogos, enquanto o movimento de mercadorias diminuiu na ferrovia e desacelerou nos portos e na rodovia, divulgou ontem o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o movimento de passageiros nos aeroportos portugueses aumentou 20,6% no segundo trimestre (+18,6% de janeiro a março), face ao mesmo período de 2016, tendo o comboio e o metropolitano registado também subidas de 6,6% e 3,7%, respetivamente (+6,2% e +12,4% no primeiro trimestre).

Em sentido oposto, o movimento de mercadorias recuou na ferrovia (-5,7% em toneladas e -3,1% em toneladas-quilómetro) e desacelerou nos portos (de 11,1% para 2,0%) e na rodovia (de 11,6% para 4,3%), sendo que neste último caso o crescimento “continuou a ser suportado pelo aumento do transporte nacional (+6,3%), enquanto o transporte internacional diminuiu (-4,7%)”.

Entre abril e junho, o número de passageiros movimentados (embarques, desembarques e trânsitos diretos) nos aeroportos nacionais atingiu os 14,5 milhões, tendo ali aterrado cerca de 56,0 mil aeronaves em voos comerciais, mais 12,0% (+12,6% no primeiro trimestre).

O movimento de carga e correio registou igualmente um “crescimento significativo” de 19,0% (+17,9% no trimestre anterior), para 43,8 mil toneladas.

Entre os principais aeroportos nacionais, o de Ponta Delgada (RA Açores) foi o que registou o maior crescimento no movimento de passageiros (+29,8%), seguindo-se Lisboa (+23,1%), que atingiu uma quota de 47,9% no movimento total de passageiros.

“Faro também se evidenciou (+19,8%) tal como o Porto (+17,6%), com um número semelhante de passageiros em ambos os aeroportos: 2,9 milhões”, refere o INE.

O tráfego internacional foi responsável por 81,5% do movimento total de passageiros, tendo-se a taxa de ocupação (passageiros/lugares) no conjunto dos aeroportos situado em 84,5%.

No que se refere ao transporte ferroviário de passageiros, manteve no segundo trimestre de 2017 o nível de crescimento que vinha registando, tendo movimentado 36,0 milhões de pessoas (+6,6%), aos quais corresponderam 1,1 mil milhões de passageiros-quilómetro (+6,5%).

O tráfego suburbano (88,2% do total; 31,8 milhões de passageiros) manteve-se em crescimento (+6,7%), enquanto as deslocações interurbanas transportaram mais 5,7% de passageiros e as deslocações internacionais contaram com 73 mil passageiros e registaram o maior aumento de entre os três tipos de tráfego (+10,6%).

No segundo trimestre do ano, as mercadorias transportadas por modo ferroviário totalizaram 2,6 milhões de toneladas, uma variação negativa de 5,7% (+0,6% no primeiro trimestre), tendo também o respetivo volume de transporte decrescido (-3,1%; +0,1% no trimestre precedente).

Advertindo que as evoluções relativas ao movimento dos portos no segundo trimestre “estão substancialmente influenciadas por um efeito base geral, derivado de paralisações e dos constrangimentos no terminal oceânico de Leixões em 2016”, o INE reporta a entrada nos portos marítimos nacionais de 3.796 embarcações entre abril e junho (+0,5%) e a movimentação de 23,1 milhões de toneladas de mercadorias, um aumento de 2,0% que denota uma “desaceleração significativa” face à subida de 11,1% no primeiro trimestre.

O porto de Sines, com 11,4 milhões de toneladas, representou 49,3% do movimento total de mercadorias, mas sofreu uma quebra de 4,6%, enquanto em Leixões houve um aumento de 12,0% nas mercadorias movimentadas (+8,5% no primeiro trimestre), atingindo 4,7 milhões de toneladas, enquanto o porto de Lisboa registou um “aumento significativo” (+43,5%), tendo movimentado 2,8 milhões de toneladas de mercadorias.

O porto de Aveiro continuou a registar um “aumento significativo” (+28,1%) após a subida de 18,0% no primeiro trimestre, mas Setúbal “manteve a tendência negativa”, movimentando menos 33,9% que no trimestre homólogo de 2016 (-11,3% de janeiro a março).

Quanto ao transporte de passageiros por via fluvial, atingiu 4,94 milhões de passageiros, dos quais 4,2 milhões no rio Tejo (+2,8%), representativos de 84,7% do total.

Relativamente ao transporte rodoviário de mercadorias, continuou a crescer de abril a junho, mas abrandou: as toneladas transportadas aumentaram 4,3%, para 41,9 milhões de toneladas.