Pavilhão Carlos Lopes será o novo Centro de Congressos de Lisboa

Categoria Home

O local para o já muito falado novo Centro de Congressos de Lisboa já foi escolhido. Durante a conferência &O papel do turismo na regeneração dos bairros tradicionais de Lisboa&, organizada ontem pela Associação da Hotelaria de Portugal e Vida Imobiliária, no auditório do MUDE – Museu do Design e da Moda de Lisboa, e inserida na Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa, que termina hoje, o vereador Manuel Salgado, que detém o pelouro do Planeamento, Urbanismo, Reabilitação Urbana da Câmara Municipal de Lisboa, falou sobre alguns dos planos de reabilitação para o centro histórico de Lisboa, uma das zonas mais degradadas da cidade e onde também se situa a maioria dos hotéis da capital, no eixo entre a Baixa e o Alto do Parque. &No mesmo eixo estará então o novo Centro de Congressos de Lisboa, que ocupará o espaço do Pavilhão Carlos Lopes.&&Vamos aproveitar o Pavilhão e atribuir-lhe duas valências. Um espaço para desporto , mas acima de tudo, um espaço de Congressos e conseguimos de facto encaixar aqui um programa necessário para termos congressos de 5000 pessoas&. O novo centro terá então acessos de metro, parque de estacionamento e estará próximo do centro da cidade. Contudo,& os fundos de financiamento para este projecto são ainda inexistentes, já que os fundos europeus não financiam uma operação deste tipo, sendo necessário &encontrar uma forma sustentável de financiamento para levar este projecto para a frente&. Um passo que o Vereador considera importante para dar mais um passo na dinamização do turismo de Lisboa. &Não só porque estamos a reabilitar um edifício de valor patrimonial, como estamos a intervir sobre a cidade existente e não a ir para uma periferia longínqua e estamos a dinamizar a hotelaria e comércio que existem à volta&. Requalificar a frente de LisboaO Vereador manifestou ainda um desejo por parte da Câmara Municipal de Lisboa de investir na reabilitação do Arco Ribeirinho, que já começou com o projecto do Centro Descobrir, em conjunto com a Armada Portuguesa, que contará a narrativa das descobertas portuguesas, na Avenida &Ribeira das Naus, e que prosseguirá com o novo terminal de cruzeiros. &Existe ainda a intenção de construir um acesso ao Museu da Arte Antiga, &essencial na cidade de Lisboa e a precisar de ser reabilitado&, cuja entrada &na retaguarda&, a partir da Rua das Janelas Verdes, não atrai tantos turistas como se estivesse situada na Avenida 24 de Julho. &É possível demolir dois edifícios e fazer uma nova frente para o Museu da Arte de Antiga, trazê-lo para a primeira linha&. & O Centro de Artes do Museu da Electricidade, o Museu dos Coches, o Parque Mayer. a nova feira popular, ainda sem localização, e a Colina de Sant’Ana são outros dos projectos em curso, &desenvolvidos de forma sistemática, para aproximar o Parque das Nações do Centro da cidade e para requalificar a frente da Baixa de Lisboa&. &Há muito a fazer em Lisboa e não pode ser só o município a fazê-lo&, concluiu.Por Rita Bernardo