Pinto Lopes Viagens investe mais de um milhão de euros em nova loja em Lisboa

Pinto Lopes Viagens investe mais de um milhão de euros em nova loja em Lisboa

Categoria Business, Ot's Av's

A Pinto Lopes Viagens, especialista em circuitos culturais em grupo para mais de 140 países, já inaugurou o seu novo espaço em Lisboa. Trata-se de um operador “quase único em Portugal, baseado no B2C”, explica à Ambitur.pt, Rui Pinto Lopes, diretor-geral da Pinto Lopes Viagens. “Não temos intermediação: não damos a comercializar o nosso produto próprio a outras agências”, contextualiza.

Fazendo um balanço do ano de 2018, o responsável considera que foi de crescimento. “Viajaram connosco cerca de 650 grupos, 19 mil passageiros e operamos uma centena de países”, afirma o responsável. A somar a tudo isto, “foi uma operação com um índice de satisfação global do cliente muito elevado” e um crescimento expectável face ao ano anterior “a dois dígitos. Crescemos 20%”, assegura.

Há 45 anos que a Pinto Lopes Viagens está no mercado e a abertura de um novo espaço em Lisboa insere-se no “projeto de crescimento” em Portugal. Rui Pinto Lopes refere que abertura da primeira loja em Lisboa, em 2012, potenciou novos clientes mas “deixou de ser exequível mantermo-mos onde estávamos por uma questão de dimensão”. Em sete anos, “multiplicámos por seis o número de colaboradores” e hoje, em Lisboa, estão 11 colaboradores “só para atendimento ao público”. Para o responsável, o novo espaço, com 500 metros quadrados, reúne as condições necessárias para os clientes e representa um investimento superior a “um milhão de euros”. “Esta agência é um espaço do qual nos orgulhamos”, sublinha.

“O mundo começa a ficar pequeno em termos de oferta e inovação”

Todos os anos, a Pinto Lopes Viagens “produz novos circuitos” e “tenta ter um país novo” em termos de oferta para os clientes que “viajam connosco há 45 anos e querem coisas novas”. Em 2019, o destino novo vai ser Bangladesh e “vamos regressar à Quénia com um Safari. Era um destino que programamos há muitos anos e nunca voltámos a programar”. Conhecida pelos destinos “out of the box”, a Pinto Lopes Viagens apresenta destinos como o Sudão, Paquistão ou Coreia do Norte. Mas não se fica por aqui: em África, “opera 25 países”, na Ásia “quase todos os países”, na Europa “opera os 51 países” e a América do Norte e Sul “continua coberta pelos nossos circuitos”. O diretor-geral considera que “o mundo começa a ficar um bocadinho pequeno em termos de oferta e inovação”.

Nos países que a Pinto Lopes Viagens já opera, “tentamos fazer novos circuitos”. Dando o exemplo da Roménia, em que já operam há muitos anos, “temos um circuito Roménia-Bulgária desde 1987”, mas este ano lançaram um novo circuito que cobre a parte noroeste da Roménia, que não operavam. Com uma oferta “vastíssima” e com 450 páginas de catálogo, todas as operações são “organizadas e operadas por nós”. A somar a tudo isto, a Pinto Lopes Viagens tem ainda uma “frota de autocarros”. Na Europa, “quase todos os autocarros que operam os nossos clientes são nossos”, o que representa para o responsável é “uma vantagem para o cliente”.

Nas viagens premium (as chamadas “Viagens com Autor”, criadas em 2012), “pioneiras em Portugal”, o diretor-geral afirma que a aposta vai continuar e “novos nomes vão surgir”, adiantando que, em 2020, “vamos ter uma viagem de autores” à Volta do Mundo. “Inspirada nos 500 anos na volta ao mundo de Magalhães”, o autor será Gonçalo Cadilhe, composta por uma viagem de 27 dias e que passará pelos cinco continentes. Rui Pinto Lopes considera que será um marco “assinalável para 2020”.

Para o futuro, a Pinto Lopes Viagens prevê um “crescimento sustentado”, de forma construtiva e construída junto dos clientes. Seguindo a linha dos anos anteriores, em 2019, “prevemos crescimento” e “esperamos crescer entre 10 a 15%”, conclui.

 

Cristiana Macedo