Proveitos da hotelaria nacional cresceram a dois dígitos em 2015

Proveitos da hotelaria nacional cresceram a dois dígitos em 2015

A hotelaria nacional registou, no ano de 2015, 17,4 milhões de hóspedes e 48,9 milhões de dormidas, o que representa um aumento de 8,6% e 6,7%, respetivamente, face a 2014, uma evolução positiva mas aquém de 2014 (+11,7% e +10,4%). De acordo com os dados divulgados hoje pelo Instituo Nacional de Estatística, os proveitos totais aumentaram 13,1% e os de aposento 14,7%, a preços correntes, superando ligeiramente a evolução do ano anterior (+12,2% e +13,1%). Os proveitos de aposento, face aos totais, aumentaram o seu peso de 70,6% em 2014 para 71,6% em 2015.

Em 2015, o mercado interno gerou 14,5 milhões de dormidas (+5,3%), desacelerando expressivamente face ao ano anterior (+12,8%). As dormidas de não residentes em 2015 (34,4 milhões) aumentaram 7,3% (+9,3% em 2014 e +7,7% em 2013) e representaram 70,3% do total (+0,3 p.p.). No que respeita aos resultados finais das regiões, o destaque vai para os Açores, que regista, em 2015, um aumento nas dormidas de 19,6% face aos 0,9% em 2014), para o Norte (+13,6%, +11,0% no ano anterior) e Alentejo (+11,8%, após +16,5% em 2014). As três principais regiões turísticas, Algarve (34,0% das dormidas totais), Lisboa (25,1%) e Madeira (13,5%) apresentaram crescimentos moderados em 2015, respetivamente +2,7%, +6,7% e +5,8%, com claro abrandamento nos casos do Algarve e Lisboa (+9,7% e +14,8% em 2014) e aceleração na Madeira (+4,1% no ano anterior).

No acumulado de janeiro a dezembro, a estada média foi 2,81 noites (-1,8%), evolução semelhante à de 2014 (-1,2%). A taxa de ocupação foi 46,1% (+2,1 p.p.), aumento inferior ao de 2014 (+2,8 p.p.) e o RevPAR foi 37,8 euros (+14,4%, face a +9,3% em 2014).

No mês de dezembro, a hotelaria registou 989,2 mil hóspedes e 2,3 milhões de dormidas, equivalendo a aumentos homólogos de 9,6% e 9,8%, superiores aos de novembro (+7,2% e +8,4%). As dormidas dos mercados externos reforçaram a sua tendência de crescimento (+7,4% no mês anterior e +11,6% em dezembro), enquanto o mercado interno aumentou mas com abrandamento (+10,8% em novembro e +7,1% em dezembro). A estada média foi 2,29 noites e aumentou ligeiramente (+0,2%). A taxa líquida de ocupação cama situou-se em 28,3% (+2,2 p.p.). A evolução dos proveitos foi claramente positiva (+14,6% para os proveitos totais e +16,1% para os de aposento) e superou a do mês anterior (+11,9% e +13,1%).