SALTO atinge neutralidade de carbono, compensando emissões de CO2 de 2020 em todos os escritórios e fábricas

SALTO atinge neutralidade de carbono, compensando emissões de CO2 de 2020 em todos os escritórios e fábricas

Categoria Business, Empresas

Em 2015, a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas chegou a um pacto global (o Acordo de Paris): mitigar os efeitos das alterações climáticas e alcançar a neutralidade até 2050. As emissões neutras de gases com efeito de estufa são alcançadas quando a mesma quantidade de gases com efeito de estufa (CO2 equivalente) emitida é removida da atmosfera de diferentes formas. Isto não significa que as atividades humanas não possam emitir qualquer CO2, mas implica que não podemos gerar mais do que podemos remover.

A SALTO Systems alcançou a neutralidade de carbono graças à sua participação em dois projetos inovadores com um triplo efeito transformador na economia, sociedade e natureza para alcançar o objetivo da SALTO: fazer com que as suas operações tenham um impacto zero no clima.

Uma iniciativa da SALTO Systems que é precedida por objetivos ambiciosos de redução de emissões e que, subsequentemente, visa compensar as emissões que não puderam ser evitadas.

A fim de acelerar a descarbonização e contribuir para alcançar os objetivos de redução de emissões estabelecidos pelo Acordo de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, a SALTO está empenhado em promover projetos de recuperação ambiental através da revegetação, a fim de compensar as emissões de CO2 através do sequestro das mesmas em espécies arbóreas. No total, as 1,721 toneladas de CO2 geradas em 2020 (359 na sua sede em Oiartzun, Gipuzkoa em Espanha e 1.362 na sua rede mundial de escritórios e empresas do grupo) foram compensadas em 2021 através de dois projetos pioneiros: o Projeto “River Chinchiná Forestry”, na Colômbia (“Fundación Ecodes e CeroCO2”), que visa o reflorestamento e proteção de bacias hidrográficas nos Andes, e o Projeto “Apadrina un Olivo” (Apadrinha uma Oliveira) em Teruel, Espanha, que luta para recuperar olivais, bem como contra o despovoamento e o abandono de olivais em Espanha.

A pandemia global põe em destaque o valor das considerações ambientais, sociais e de governação empresarial. Ambos os projetos, para além de terem um impacto ambiental positivo, contribuem para a luta contra as alterações climáticas e influenciam positivamente a sociedade e economia locais, pelo que não só regeneram espaços naturais negligenciados e protegem a biodiversidade, como também fomentam o crescimento socioeconómico das comunidades locais.

● MDL Forestal Chinchiná — Colômbia
Este projeto florestal na bacia do rio Chinchiná foi o primeiro projeto a ser registado no programa de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo das Nações Unidas (MDL) na Colômbia, gerando benefícios através da mitigação das alterações climáticas ao garantir a captura de dióxido de carbono. Os benefícios ambientais adicionais incluem a melhoria da qualidade da água e a proteção da flora e fauna da região através da criação de corredores biológicos que ligam fragmentos de floresta nas zonas superiores da bacia hidrográfica, através da restauração de áreas altamente degradadas (proteção da biodiversidade).
● Apadrina un Olivo — Teruel, Espanha
No ApadrinaUnOlivo.org, a sua missão é recuperar olivais abandonados em Oliete, uma cidade da região de Teruel, em Espanha, que tem visto a sua população diminuir nos últimos anos. Este projeto de desenvolvimento ambiental, social e rural sustentável ajuda as famílias em risco de exclusão e mantém as pessoas em cidades rurais despovoadas, desenvolvendo as zonas rurais. A iniciativa também protege a preciosa flora e fauna que habita e depende do olival para sobreviver, ajudando a proteger a biodiversidade e a reduzir a pegada de carbono.

Graças a estes dois projetos e outras estratégias concebidas para descarbonizar as atividades da SALTO, juntamente com um compromisso com o ambiente e com a preservação do mundo natural, a SALTO conseguiu alcançar a neutralidade de carbono em todas as suas fábricas e escritórios, em mais de 40 países.

SALTO EM NÚMEROS

● 100% da eletricidade utilizada na fábrica da SALTO é sustentável e provém de fontes renováveis.
● 25% da energia elétrica provém de energia solar. A SALTO instalou 640 painéis solares na sua fábrica, a primeira instalação de energia solar em larga escala na sua rede global. Além disso, foram adotadas numerosas iniciativas de eficiência energética que reduziram as emissões de carbono através da poupança de energia, evitando 198 toneladas de CO2 por ano.
● A SALTO também minimizou os plásticos de utilização única nas suas embalagens, escritórios, café no trabalho e materiais de marketing e substituiu-os por alternativas mais sustentáveis, tais como produtos biodegradáveis feitos de papel, celulose e madeira certificados FSC.

As políticas ambientais implementadas pela SALTO reduzem o impacto ambiental das suas operações. Na SALTO, adotamos práticas que reduzem a nossa pegada de carbono, consomem energia de forma responsável, minimizam o desperdício tanto quanto possível e maximizam a utilização de recursos. Também estabelecemos normas ambientais obrigatórias para incorporar a sustentabilidade em toda a rede mundial de escritórios e sedes da SALTO.