Setúbal: Arrábida vista da Gávea

Setúbal: Arrábida vista da Gávea

Esplanada à beira-mar no exterior e decoração audaz e com charme no interior. O Cais da Gávea convida a descontrair. Está-se à entrada da serra. Ou à saída da cidade. Depende de como se veja o copo. O que não se deve perder de vista é Setúbal e a sua Serra da Arrábida.

Setúbal, cidade com dinamismo emergente, efervescente, eclético, tem sabido crescer em harmonia com o enclave natural que a circunda. Reserva Natural do Estuário do Sado de um lado, uma das mais belas baías do mundo em frente e Serra da Arrábida do outro. A malha urbana, no meio, renovada, modernizada, cosmopolita, olha ao redor e sorri.

Para o lado da serra, onde atividades como ciclismo – em estrada ou fora dela –, caminhadas ou até parapente, captam cada vez adeptos entre os visitantes do concelho, o EcoParque do Outão permite recuperar fôlegos, retemperar forças, à beira-mar e com um pôr-do-sol acessível mesmo a quem não pernoita no parque de caravanismo setubalense.

Cais da Gávea dá o nome a este porto de abrigo no EcoParque do Outão, à saída da cidade, à entrada da serra. Trata-se de um café-bar, de apoio aos utentes do parque, mas aberto a todos os que queiram apreciar a Arrábida, sem horas, sem agendas, sem pressas.

Decoração elegante e acolhedora, música ambiente, o Cais da Gávea é refúgio para o frenesim quotidiano. Com capacidade para 120 pessoas, entre o interior e a esplanada, que quase mergulha no oceano, o espaço funciona de terça-feira a domingo das 08h30 às 24h00.

Em paralelo, este é um cais igualmente apetrechado com mercearia, num serviço pensado mais especificamente para as principais necessidades dos utentes do EcoParque do Outão.

Este artigo foi publicado na edição 324 da Ambitur.