Sugestão Ambitur: Henriques & Henriques

Categoria Business, Empresas, Home

Desde o século XV que a família Henriques se distingue no panorama da viticultura e da arte de fazer vinho da Madeira. Fundada em 1850, somente em 1913 os interesses familiares se constituíram numa empresa da família, a HenriquesHenriques – Vinhos S.A., que em 1925 iniciou a sua actividade como exportadora dos seus vinhos em detrimento do fornecimento local a outros exportadores.Em 1992, a empresa investiu na expansão com a construção de novas instalações em Câmara de Lobos – onde podemos encontrar escritórios, laboratório, sala de provas, loja, armazéns e na cave tanques de diversas capacidades de armazenagem – e de um novo centro de vinificação na Quinta Grande. Três anos depois, a companhia decidiu plantar na freguesia da Quinta Grande um novo vinhedo. Actualmente, a HenriquesHenriques (HH) é o único produto de vinho da Madeira com vinhas próprias. A missão é simples: “manter a produção de vinhos de excelente qualidade, de forma a continuar a ser reconhecida como uma referência de tradição no vinho da Madeira”, sublinha Humberto Jardim, director geral da HH. As inovações tecnológicas são uma aposta constante mas a tradição familiar é para manter. O objectivo prende-se com a comercialização dos vinhos não só ao nível da grande distribuição como também nas lojas gourmet e de “Premium Wines”, uma vez que a gama é alargada, começando pelos vinhos de três anos e passando para 5, 10, 15 e 20 anos, Colheitas e Vintages. 2014 em geral está a correr melhor do que o ano anterior com um crescimento das vendas de vinhos mais velhos, revela Humberto Jardim. Os mercados de referência da empresa para o Madeira são o Reino Unido, França, Alemanha, Bélgica, Áustria, Suíça, Japão, EUA e Canadá, mas o responsável admite que o mercado local é dos mais importantes e o seu volume resulta sobretudo das vendas a turistas que visitam a Ilha da Madeira.O que saborear com a HenriquesHenriques O vinho da Madeira é secular particularmente por resultar da vinificação de castas como a Malvasia, o Boal, o Verdelho, o Sercial, o Terrantez, cada uma expressando-se num grau de doçura residual específica, e a Tinta Negra, vinificada desde o seco ao doce, um vinho versátil para beber em qualquer ocasião. Os vinhos mais procurados são os doces e meio doces mais novos, sendo que nos segmentos de mercado mais conhecedores, os Colheitas e os Vintages são muito apreciados.