TAP pela primeira vez com rating de agências internacionais

TAP pela primeira vez com rating de agências internacionais

Categoria Business, Transportes

Os Transportes Aéreos Portugueses, SA (TAP) obtêm pela “primeira vez rating de agências internacionais” ficando “posicionada entre o restrito grupo de empresas sustentáveis no mercado global de aviação”, refere a companhia em comunicado. O rating obtido é “elemento chave” para continuar o processo de “extensão do prazo de maturidade da dívida, permitindo reforçar a solidez financeira da TAP”. Este rating reflete assim a “tendência de recuperação dos resultados observada no segundo e terceiro trimestres de 2019”, acrescenta a companhia.

A estrutura societária da TAP-Transportes Aéreos Portugueses SGPS, SA (TAP SGPS ou Grupo TAP), que alia a força do Estado Português com a experiência da Atlantic Gateway em aviação, também contribuiu positivamente para o rating.

O rating obtido confirma o sucesso na implementação do projeto estratégico definido pelos acionistas e valida a estratégia de crescimento em execução pela TAP.

  • TAP obtém rating BB-, com outlook estável, pela agência de notação financeira Standard & Poor’s, aguardando-se a atribuição de rating por uma segunda entidade internacional.
  • Prazo médio da dívida da TAP duplicou em 4 anos, passando de menos de 24 meses no momento da privatização em 2015 para aproximadamente 4 anos no final do terceiro trimestre de 2019. A TAP pretende alongar ainda mais este prazo.
  • Em 2019, a TAP já amortizou mais de 170 milhões de passivo financeiro. O peso da dívida, medido pelo rácio dívida líquida / EBITDAR, diminuiu mais de 40 por cento desde 2015.
  • Número de passageiros transportados subiu 11,1 por cento no terceiro trimestre face a 8,9 por cento no segundo trimestre e 0 por cento no primeiro trimestre de 2019, reforçando a tendência de recuperação.
  • Acesso a crédito para cobertura do preço do combustível minimiza volatilidade nos resultados da TAP. Já está contratada a cobertura para mais de 50 por cento do consumo previsto de combustível para 2020, a um custo cerca de 4 por cento menor que o preço médio em 2019, o que equivale a uma poupança estimada de 30 milhões de euros para 2020. As condições de cobertura de combustível da TAP para o próximo ano estão entre as três melhores posições na Europa.
  • Receitas consolidadas do Grupo TAP, no terceiro trimestre de 2019, ascenderam a 1 052 milhões de euros, equivalente a um aumento de 6,1 por cento face a igual período do ano anterior, suportado pelo crescimento do mercado Norte Americano e pela recuperação do Brasil.
  • Resultado operacional consolidado do Grupo TAP (EBIT) foi de 129 milhões de euros no terceiro trimestre de 2019, equivalente a 12,2 por cento das receitas, em linha com outras empresas congéneres da Europa.
  • O EBIT no terceiro trimestre aumentou 16,5 por cento face a igual período do ano anterior, refletindo a melhoria da evolução das receitas e a redução de 7 por cento no CASK (custo operacional unitário por assento-quilómetro), beneficiando da entrada ao serviço dos novos NEO e do Airbus A321LR, bem como das iniciativas de ganhos de eficiência e redução de custos.
  • A TAP SA apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses do ano, de 111 milhões essencialmente devido a variações cambiais sem impacto na tesouraria. Excluindo esta variação cambial, o lucro líquido consolidado do Grupo TAP, no terceiro trimestre de 2019, foi de 61 milhões de euros positivos, compensando em mais 50 por cento o prejuízo gerado no primeiro semestre de 2019.
  • Em 30 de setembro de 2019, o total de disponibilidades consolidadas do Grupo TAP era de 254 milhões de euros, o que compara positivamente com 223 milhões em 31 de dezembro de 2018.
  • Satisfação do cliente (NPS) melhora 9,2 pontos, devido a investimento na renovação da frota com aviões de última geração, à melhoria da pontualidade, à melhoria contínua no serviço de bordo e sobretudo pela qualidade do serviço prestado pelos trabalhadores.
  • Companhia vai contratar mais de 800 novos colaboradores no próximo ano, dos quais mais de 100 são pilotos e cerca de 600 serão assistentes de bordo, para fazer face ao crescimento da TAP.
  • Desde a privatização, o Grupo TAP já contratou mais de 3 mil colaboradores em Portugal.
Foto cedida pela TAP Air Portugal