The Yeatman: A “pausa forçada” serviu “para nos adaptarmos, de forma exigente e otimizada, à nova realidade”

The Yeatman: A “pausa forçada” serviu “para nos adaptarmos, de forma exigente e otimizada, à nova realidade”

Categoria Alojamento, Business

Depois de alguns meses de portas fechadas, são já vários os hotéis que começam a reabrir para um “novo” verão. Ambitur.pt está a falar com algumas dessas unidades, que nos contam quais as expectativas que têm para os próximos meses e como está a ser feita esta abertura.

O hotel The Yeatman, situado em Vila Nova de Gaia, reabriu a 29 de maio, registando desde logo uma maior procura por parte do mercado nacional. “Temos afirmado que este ano será o ano para (re)descobrir o nosso país e tudo aquilo que o torna tão único aos olhos do mundo – seja a sua gastronomia, as experiências vínicas, as suas paisagens inconfundíveis”, afirma Jan-Erik Ringertz, diretor desta unidade. Por tudo isso, o responsável acredita que, nesta primeira fase, sejam “os portugueses a visitar-nos ainda que, gradualmente, nos cheguem reservas por parte de internacionais”. Já depois da retoma das ligações aéreas e da reabertura das fronteiras, o hotel prevê voltar a registar um aumento dos visitantes estrangeiros.

Jan-Erik Ringertz não tem dúvidas quando às expectativas para os próximos meses: “O objetivo é recuperar o tempo perdido”. E mostra-se otimista, embora realista: “Desde a reabertura até ao dia de hoje, temos registado taxas de ocupação positivas e acreditamos que são bons indicadores para os meses que se avizinham”.

O gestor reconhece que o setor do turismo foi um dos mais impactados pela Covid-19. Mas frisa que esta “pausa forçada” foi encarada como uma oportunidade para pequenas renovações e “para nos adaptarmos, de forma exigente e otimizada, às novas regras e à nova realidade”. Jan-Erik Ringertz admite que, nesta fase, “o desafio é comprovar e reconfirmar a segurança, comodidade e bem-estar, associadas à experiência que se vive no The Yeatman, que se assume como «hotel-destino»”.

O diretor da unidade lembra que uma estadia no The Yeatman permite “viajar” por todo o país, seja através da gastronomia inspirada nas tradições da Costa Atlântica ou da carta de vinhos, que atravessa todas as regiões e dá a provar mais de 100 vinhos a copo, por exemplo. “Transmitir esta mensagem, aliada à confiança que queremos passar aos hóspedes, é o nosso grande objetivo”, sublinha.

Medidas de higiene e segurança
Reconhecendo a segurança, saúde e bem-estar de hóspedes e colaboradores como um fator determinante, o The Yeatman repensou todos os procedimentos e tomou medidas adicionais para que todos se sintam seguros e confortáveis. Assim, além de assegurar todos os critérios de higiene e segurança recomendados pela DGS e pelos selos Clean & Safe do Turismo de Portugal e Safe Travels da WTTC, o hotel cumpre um conjunto de medidas complementares que visam reforçar a garantia de segurança e comodidade, explica-nos Jan-Erik Ringertz..

Deste modo, o The Yeatman destaca as seguintes medidas:
– Rotina de desinfeção diária a todos os espaços exteriores, recorrendo a uma técnica de limpeza e higienização profunda e eficaz;
– Manter os quartos vazios 24 horas, entre clientes, para uma desinfeção profunda dos espaços;
– Nos quartos, uma série de objetos de utilização pessoal estão selados: desde o diretório, aos copos, chinelos, robes, até ao minibar;
– Disponibilização de álcool gel em todo o hotel e, na zona de receção, um acrílico divide o espaço entre o staff e o hóspede;
– Na piscina exterior, a zona de espreguiçadeiras foi também adaptada, onde se podem encontrar as toalhas de banho devidamente higienizadas e embaladas;
– Redução em mais de 50% da capacidade total da sala de pequeno-almoço, Bar & Bistro e do Restaurante Gastronómico, premiado com duas estrelas Michelin;
– A disposição das mesas cumpre o distanciamento social exigido e as mesmas encontram-se vazias à chegada do hóspede/cliente;
– O serviço dos talheres, copos e guardanapos é devidamente acondicionado, sendo que cada item foi sujeito, previamente, a uma lavagem entre os 80 e 90º;
– Os pratos que antes se serviam numa lógica de finger food ou partilha, foram adaptados a opções individuais;
– Os menus do hotel (Restaurante Gastronómico, Bar & Bistro, pequeno-almoço e room service) são disponibilizados em formato digital, através de um QR code para evitar o contacto com documentos em papel.

No check-in, a equipa da receção está disponível para informar e esclarecer os hóspedes sobre alguns dos procedimentos implementados.