Tivoli Oriente apresenta novo “ponto de encontro” para mercado business

Tivoli Oriente apresenta novo “ponto de encontro” para mercado business

Categoria Alojamento, Business

O Tivoli Oriente apresentou, esta quinta-feira, um novo produto direcionado ao mercado MICE. O The Lounge – Corporate, localizado no piso 1 da unidade hoteleira com uma área total de 1.200 metros quadrados, teve um investimento de quatro milhões de euros.

Meeting Hall – sala de reunião

A Ambitur.pt foi conhecer o novo espaço que dispõem de um Meeting Hall com 11 salas devidamente equipadas e uma área de atendimento personalizado, além de um coffee corner para dar apoio a reuniões e coffee breaks. Simultaneamente, e para eventos que necessitam de serviço de catering, é no The Lounge que se pode encontrar uma oferta diversificada através do Dining Club. Com capacidade para 150 pessoas, esta área oferece o pequeno-almoço dos hóspedes e clientes, com buffet executivos para almoços de segunda a sexta-feira, bem como as refeições de grupos e eventos. Muito próximo, está ainda o The Lounge – Caffè, um espaço devidamente equipado e pensado para responder às necessidades dos clientes com um perfil de negócios.

Para Rui de Sousa, esta apresentação significa um “quase terminar” do programa de renovações que o hotel iniciou há dois anos e meio em toda a unidade. “Esperamos ter até ao final do ano um novo lobby”, afirma o diretor-geral do Tivoli Oriente. Do programa de remodelações, destaca-se a “renovação total dos quartos” e a adoção de uma “estratégia mais aspiracional”, que integrou os projetos Sky Bar e o restaurante Guilty. Estes novos projetos “tornaram o hotel mais lifestyle e  visível para a comunidade local”.

Dining Club

Associado à área de negócio, surge então o novo The Lounge – Corporate. Com um histórico de clientes locais de negócios que frequentam o Tivoli Oriente fazia todo o sentido criar um espaço que respondesse às “expectativas dos nossos clientes”, explica o responsável. Na visão de Rui de Sousa, este piso é assim “muito estratégico”, oferecendo ao mercado MICE uma “infraestrutura” que permita ser um “ponto de encontro” mas, acima de tudo, “um ponto de negócios”. O facto de estarem localizados no Parque da Nações, um espaço que se tem “desenvolvido imenso” e onde o principal segmento é o “business”, é para o dirigente o “seguir de uma filosofia” que a marca Tivoli estimula de se “adaptarem ao local e à área onde estão implementados”, desenvolvendo os serviços e os pontos de venda de modo “a ir de encontro ao espaço e à localização onde estão integrados”.

A proximidade da Feira de Convenções e do Altice Arena faz com que o Tivoli Oriente receba um tipo de mercado muito distinto, desde o mercado de congressos ao mercado de entretenimento. Segundo Rui de Sousa, aquele que se revela “mais forte” é o mercado americano, seguido do inglês, francês, espanhol e português.

O facto de estarem previstos novos hotéis naquela zona é encarado como um “bom desafio” que se avizinha. “Obriga-nos a ser inovadores, antecipar cenários e a estar atentos aos nossos clientes” dando provas das suas preferências. “Somos um hotel com vinte anos e com uma regularidade de volume de ocupação e de negócio muito consistente”, descreve Rui de Sousa, que aproveitou a ocasião para destacar que Lisboa continua a crescer e, por isso que “saibamos sempre navegar essa onda” e a “merecer” e “preservar” os “créditos que nos têm sido dados”. O responsável sente “um orgulho enorme em ouvir que Portugal sabe receber”, remata.

Cristiana Macedo