Tomar – Um convite a descobrir o passado com reinterpretações contemporâneas

Tomar – Um convite a descobrir o passado com reinterpretações contemporâneas

Charola do Convento de Cristo

Conhecer Tomar, a Cidade Templária, é a proposta que lhe deixamos para os próximos tempos. Símbolo máximo da Ordem do Templo em Portugal, e da Ordem de Cristo que se lhe seguiu, aqui encontrará uma oferta turística “construída sobre a espessura do tempo, com uma forte componente patrimonial, mas que chega aos nossos dias com novos atrativos e reinterpretações contemporâneas”, explica Filipa Fernandes, vereadora do Turismo e Cultura do município de Tomar. E, a par de outros municípios da região, está inserido na rota dos Lugares do Património Mundial do Centro. Além disso, em 2020 Tomar assumiu a presidência da Rota Europeia dos Templários, a qual fundou, com a região francesa de L’Aube (cidade de Troyes), a cidade espanhola de Ponferrada, e Perugia (Itália). O objetivo é criar um Itinerário Cultural Europeu dos Templários que agregue todos os territórios com património templário.

Faz também parte da Rede de Judiarias, entidade que tem apostado na reconstrução de uma memória judaica, afirmando a vertente do turismo judaico. E, devido ao património industrial, o município está a trabalhar a integração em rotas do turismo industrial, sendo já hoje a Central Elétrica do Complexo Cultural da Levada um núcleo dos Museus de Energia da Fundação EDP.

Filipa Fernandes

É pois evidente que o turismo tem sido uma forte aposta da autarquia, com a afirmação da marca “Tomar Cidade Templária” e o desenvolvimento de vários projetos de animação como a Festa Templária, espetáculos de videomapping e organização de seminários. Em curso está a criação do Centro Interpretativo de Tomar e os Templários, para que os visitantes possam conhecer a história da cidade e dos Templários. Este tem sido um dos desafios do município: “dotar a oferta turística de equipamentos que valorizem o património instalado”, explica Filipa Fernandes, referindo-se ao Centro Interpretativo da Sinagoga de Tomar e ao Complexo Cultural da Levada de Tomar. Além disso, está a decorrer a obra de valorização da Várzea Grande bem como de toda a envolvente do Castelo Templário e Convento de Cristo, para dotar “a cidade de estruturas dignas de receber quem nos visita”, adianta.

Festa dos Tabuleiros

A não perder…
Se está a planear uma visita a Tomar, é impensável não conhecer o Convento de Cristo, monumento classificado como Património da Humanidade pela UNESCO. Filipa Fernandes sugere ainda uma descida à visita para visitar a Sinagoga, “monumento único e com forte carga simbólica”, ou o Panteão dos Templários, Igreja de Santa Maria do Olival. Enquanto deambula pelo centro histórico desta cidade, não deixe de aproveitar o esplendor dos seus espaços verdes e, numa esplanada, sinta o espírito deste lugar – “uma experiência que o fará vir a Tomar, e a querer voltar”, realça a vereadora.

Para Filipa Fernandes não há dúvidas: “Tomar é o sítio certo para construir memórias”. E, além de todo o património e dos eventos únicos como a Festa dos Tabuleiros, há algo que também não pode deixar de experimentar nesta cidade: a gastronomia. Hoje são produtos típicos o cabrito assado, as couves à Dom Prior ou a morcela de arroz, entre tantos outros. Na doçaria a especialidade são as “Fatias de Tomar”, uma invenção de um dos mestres latoeiros da cidade, que as vendia com a receita do doce no interior em meados do século XX. Experimente também as Castanhas Doces, Queijadas de Amêndoa, os “Bolos de Cama” e os deliciosos “Beija-me Depressa”. O azeite e o vinho fazem parte de qualquer mesa portuguesa e Tomar está numa região de produção destes dois produtos, estando integrado na região demarcada dos Vinhos do Tejo.

Motivos não faltam pois para estar já a preparar a sua próxima escapadela a Tomar, numa altura em que viajar por Portugal se tornou ainda mais apetecível.

Este artigo foi publicado na edição 330 da Ambitur.