TPNP prevê retorno financeiro do Rally de Portugal em 155 milhões de euros

TPNP prevê retorno financeiro do Rally de Portugal em 155 milhões de euros

Categoria Agenda, Inside

Luís Pedro Martins estima que o Rally de Portugal, que se realiza de hoje até 2 de junho, traga uma “receita recorde de 155 milhões de euros, sobretudo nos setores de alojamento e restauração”. O presidente da da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) elege esta icónica prova no calendário automobilístico nacional e internacional como “o evento desportivo que traz mais visibilidade à região e um dos que gera mais proveitos financeiros”.

As reservas nas unidades hoteleiras situam-se na ordem dos “90% na Área Metropolitana do Porto, sendo que Braga e Guimarães registam taxas a rondar os 80%.”. Já os concelhos de Amarante, Fafe, Cabeceiras de Basto e Vieira do Minho, “têm praticamente esgotada a capacidade hoteleira”, refere o comunicado da TPNP.

Para lá daquilo que são as receitas diretas provenientes dos adeptos, equipas e respetivos staffs, “há um impacto muito importante, difícil de quantificar, que é a promoção feita pelos órgãos de comunicação, cerca de 380 jornalistas, que acompanham a prova e que a levam a mais de 160 países”, refere o dirigente.

A TPNP sublinha que boa parte das pessoas que se desloca a Portugal para ver as etapas da prova acaba por ficar mais tempo e visita outros destinos dentro do mesmo território, ajudando a cumprir o desígnio de Luís Pedro Martins de descentralizar a visitação na região Porto e Norte. Os números disponíveis indicam, ainda, que “90% dos adeptos do desporto motorizado que participam no rally querem voltar, mesmo fora da época de competição e da época alta”, acrescenta o Presidente da TPNP. De acordo com a TPNP, “um milhão e duzentas mil pessoas saem à rua para acompanhar a prova”, que tem nas classificativas de Amarante e Fafe duas das etapas mais emblemáticas deste Rally de Portugal.