Turismo de Portugal quer criar até ao final de 2021 uma rede nacional de áreas de serviço para autocaravanas

Turismo de Portugal quer criar até ao final de 2021 uma rede nacional de áreas de serviço para autocaravanas

Categoria Advisor, Associativismo

A primeira Área de Serviço para Autocaravanas (ASA) em território nacional, localizada em Ponte de Sor – Alentejo, foi inaugurada esta quinta-feira pela secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, marcando o arranque do Programa de Ação que visa a criação das condições e a promoção de um Autocaravanismo sustentável.

Segundo o comunicado enviado à imprensa, o Turismo de Portugal realça que numa altura em que a procura por este tipo de turismo tem vindo a registar um aumento significativo, o Programa de Ação prevê, até ao final de 2021, a “criação de uma rede nacional inteligente de áreas de serviço para autocaravanas – Life Campers -, com mais e melhor informação disponibilizada aos turistas e um reforço da fiscalização e sancionamento das práticas ilegais”.

O projeto está a ser iniciado no Alentejo e Ribatejo, em 27 municípios que apresentaram 41 candidaturas ao apoio financeiro no âmbito do Programa Valorizar, para criação ou requalificação de ASA nos respetivos territórios, de forma concertada com a ERT Alentejo que apresentou uma candidatura âncora para o desenvolvimento de ações de divulgação, sensibilização, animação, capacitação, gestão e coordenação da iniciativa na região.

Segundo Turismo de Portugal, as candidaturas iniciais representam um investimento global de 3 milhões de euros, e um apoio financeiro aprovado de 2 milhões de euros. O objetivo é o “alargamento do projeto a todo o país, com a abertura de novas linhas de apoio do Programa Valorizar e em articulação com as várias Entidades Regionais de Turismo”, refere o comunicado.

Nestas áreas de serviço, em funcionamento permanente 24 horas por dia, os autocaravanistas encontram espaços destinados ao estacionamento e pernoite das autocaravanas, que asseguram o fornecimento de energia elétrica, bem como de abastecimento de água e despejo de resíduos sólidos.

Além da cobertura de todo o território nacional, a gestão destes espaços será em rede, através da ligação a uma plataforma eletrónica comum que permite a sua georreferenciação, informação atualizada sobre os serviços disponíveis em cada ASA, monitorização da ocupação e reservas online.

Em paralelo, o Turismo de Portugal anuncia que estão também previstas ações de sensibilização dirigidas aos autocaravanistas no sentido de divulgar as boas práticas da modalidade, e também, um reforço da fiscalização e do sancionamento de situações ilegais, tendo sido estabelecidos protocolos de colaboração com a GNR, PSP, Autoridade Marítima Nacional e ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas).

A campanha de sensibilização Life Campers apela à necessidade de respeito pelo território, o ambiente e as populações locais, à utilização de locais adequados para estacionamento e pernoita e à adoção de boas práticas nesta modalidade. Trata-se de uma campanha colaborativa, com conceito e imagem do Turismo de Portugal, para ser utilizada por todos os parceiros (empresas de aluguer de caravanas, ERT, ASA, etc.) através de diversos materiais informativos e promocionais.

O Turismo de Portugal, em colaboração com a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal e as Associações do setor, desenvolveu também um Guia de Boas Práticas de Sustentabilidade para o Autocaravanismo, e está a implementar boas práticas sanitárias para a prática desta modalidade, alinhadas com as orientações da DGS, com formação às empresas e colaboradores no âmbito da iniciativa “Clean & Safe”.

O autocaravanismo é um segmento em franco crescimento, em Portugal e na Europa. De acordo com o Turismo de Portugal, cerca de 80% dos autocaravanistas são estrangeiros – na sua maioria alemães, franceses e espanhóis -, reformados e apreciadores da cultura e gastronomia dos destinos que visitam, bem como do comércio local. Também, preferem “viajar nas épocas média e baixa”, contribuindo positivamente para o “combate à sazonalidade”, e têm maior apetência pelas “localidades costeiras, nomeadamente, litoral alentejano e algarvio”, acrescenta a entidade.