Turistas chineses representam 72 milhões de euros em receitas turísticas

Turistas chineses representam 72 milhões de euros em receitas turísticas

A Associação Hotelaria de Portugal (AHP) em colaboração com a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC), realizou hoje o workshop “O Mercado Chinês – Fidelizar o turista chinês: da Hospitalidade à Comunicação “, que teve lugar no Lisbon Marriott Hotel.

No início desta apresentação, Cristina Siza Vieira, presidente-executiva da AHP, começou por sintetizar a importância do mercado chinês, que, segundo dados de 2016, ocupa a 18ª posição no ranking de mercado de dormidas.

Atualmente, a China é o maior mercado emissor a nível mundial e que só no ano passado, movimentou 137 milhões de turistas. Relativamente a Portugal, em 2016, o mercado chinês foi responsável por 183 mil hóspedes e 307 mil dormidas, o que faz com que o número de visitantes chineses em Portugal tenha duplicado nos últimos três anos.

Estes dados foram apresentados por Miguel Moraes, Head of Trade Marketing do Turismo de Portugal, que realçou também os 72 milhões de euros de receitas gerados com este mercado no ano passado.

Em resumo, explica, o mercado chinês ocupa a 18ª posição ao nível de dormidas, a 14ª posição ao nível de hóspedes e em Lisboa consta já no top 10 de mercados, ocupando a 8ª posição. Os dados demonstraram ainda, que 78,9% dos turistas chineses fazem estadia em hotéis de 4 e 5 estrelas.

Por fim, Miguel Moraes realçou, através de dados da ANA Aeroportos, que apenas cerca de 42 mil turistas chineses por vida aérea (35. 403 no aeroporto de Lisboa e 5.903 no aeroporto de Porto), o que demonstra a importância das viagens por circuitos que caracterizam este tipo de turista. “A grande maioria dos turistas chineses vem por terra, através de circuitos organizados e sobretudo a partir de Espanha”, afirma.

Ao nível da promoção do destino, o responsável salientou o investimento de 3,5 milhões que tem sido realizado neste mercado desde 2014, onde agora se junta também o investimento de 2 milhões de euros na rota aérea da Beijing Airlines, que a partir do dia 26 de julho, irá ligar Lisboa e Pequim.

Ricardo Ramos Gonçalves