Um fator/Palavra-chave para o negócio turístico nos próximos anos: “Sustentabilidade”

by Inês Gromicho | 10 Dezembro 2019 15:48

Sustentabilidade

Por Fernando Carriço, diretor de Pestana Casino Park Hotel e Pestana Casino Studios

Sem dúvida a sustentabilidade que no setor do turismo se revela ainda de maior importância, e onde a teoria dos três P’s ligada a este tema e alicerçada no planet, people, profit, deve servir de inspiração para outros setores da economia.

Lidando já hoje e cada vez mais no futuro com uma geração de clientes perfeitamente atenta às causas ambientais e à harmonia que um destino turístico pode propor em termos de bem-estar social das suas populações residentes, com reflexo direto no sentimento de segurança que o destino inspira, o turismo e particularmente a hotelaria devem estar na linha da frente no combate à redução de plásticos e micro plásticos descartáveis, visando a sua total eliminação; no aproveitamento de recursos como a biomassa na utilização das caldeiras de aquecimento; no estímulo à plantação e exibição de espécies arbóreas endémicas, como no caso da Madeira com a floresta Laurissilva ou o cultivo de vegetais e ervas aromáticas no próprio hotel com possibilidade de utilização na cozinha, apenas para referir alguns exemplos.

É incrível a quantidade de informação que os clientes de hoje já possuem a este respeito quando chegam ao destino, e estou certo que cada vez mais será este um fator decisivo para a sua eleição.
Um hotel deve igualmente ter uma politica de compras que dentro de um critério racional, procurar sempre optar primeiro pelos produtos e fornecedores locais como forma de dinamização da economia local e, neste aspeto, a geometria dos aspetos que se podem tocar é maior do que aquela que aparenta, e que vai desde o estímulo da criação de emprego nas empresas produtoras e fornecedoras, aos impostos gerados por via das transações, alguns dos quais na região em benefício direto dos investimentos a serem utilizados a favor das populações.

O aumento da troca de informação e experiências, um número crescente de ofertas no mercado e cada vez mais e maior formação, permitirão agilizar os processos de integração dos três P’s antes referidos, em nome da sustentabilidade financeira necessária à continuidade e ao crescimento das empresas.

Indicado por Paulo Mesquita[1])

*No 29º Aniversário da Ambitur retomámos um desafio já lançado por nós há três anos e, uma vez mais, o setor correspondeu. O “Passa a Palavra” colocou o primeiro repto a Gonçalo Rebelo de Almeida, da Vila Galé; Nuno Mateus, da Solférias; Frederico Costa, das Pousadas de Portugal e Manuel Proença, da Hoti Hotéis. Estes quatro profissionais explicaram quais os desafios que se colocam ao Turismo nos próximos tempos e ficaram também incubidos de nos indicar a quem poderíamos lançar o mesmo repto. Ao longo dos próximos dias iremos publicar aqui os 29 comentários que resultaram deste “Passa a Palavra”, acrescentando também quem foi indicado por cada um dos comentadores.

Endnotes:
  1. Paulo Mesquita: https://www.ambitur.pt/um-fator-palavra-chave-para-o-negocio-turistico-nos-proximos-anos-autenticidade-e-inovacao

Source URL: https://www.ambitur.pt/um-fator-palavra-chave-para-o-negocio-turistico-nos-proximos-anos-sustentabilidade-2/