Um Fator/Palavra-Chave para o Negócio Turístico nos próximos anos: “Confiança”

Um Fator/Palavra-Chave para o Negócio Turístico nos próximos anos: “Confiança”

Categoria Advisor, Opinião

Confiança

Nuno Mateus, diretor geral da Solférias

Não podia deixar de dar os parabéns à Ambitur, pelo 29.º aniversário, e a toda a sua equipa porque fazem parte também da nossa atividade turística. Escolher uma só palavra é uma questão complexa porque, ao destacar-se um só fator ou palavra-chave, temos de ser mesmo muito criativos. A primeira palavra que me ocorre é confiança. E confiança porque, para mim, temos de incutir ao turista este sentimento. Nós, quando vamos de férias, temos de estar confiantes. As famílias têm de ter confiança: em primeiro lugar está a sua estabilidade emocional e financeira – saber exatamente o que vão gastar. No que respeita à estabilidade emocional, acabam por tomar uma decisão com base na confiança que transmite o terem alguém do outro lado: a dar-lhes informações, que os ajuda, que está lá para os bons momentos e também quando há algum contratempo, que transmite a confiança de que vai ajudar a resolver qualquer situação.

A mesma coisa nos acontece a nós, operadores. As agências de viagens escolhem-nos porque realmente têm confiança em nós: no nosso profissionalismo, na nossa criatividade, na estabilidade e no serviço que nós prestamos. Quando os agentes estão confiantes, passam essa confiança, da certeza da competência na equipa, aos clientes. Mesmo hoje em dia, com a nova lei das agências de viagens, nós transmitimos a confiança de que todas as possibilidades são consideradas, de que, quando existe um contratempo, por um qualquer motivo, connosco as pessoas estão realmente salvaguardadas. As pessoas que reservam diretamente acabam por perder tudo, na maioria dos casos. Portanto, a confiança para mim é a palavra-chave. Mesmo em termos de estabilidade política e económica, não há nada que não gire à volta desta palavra.

 

*No 29º Aniversário da Ambitur retomámos um desafio já lançado por nós há três anos e, uma vez mais, o setor correspondeu. O “Passa a Palavra” colocou o primeiro repto a Gonçalo Rebelo de Almeida, da Vila Galé; Nuno Mateus, da Solférias; Frederico Costa, das Pousadas de Portugal e Manuel Proença, da Hoti Hotéis. Estes quatro profissionais explicaram quais os desafios que se colocam ao Turismo nos próximos tempos e ficaram também incubidos de nos indicar a quem poderíamos lançar o mesmo repto. Ao longo dos próximos dias iremos publicar aqui os 29 comentários que resultaram deste “Passa a Palavra”, acrescentando também quem foi indicado por cada um dos comentadores. 

Publicado na edição 324 da Ambitur.