Unidades do Algarve prevêem crescimentos de ocupação e receita também em setembro

Unidades do Algarve prevêem crescimentos de ocupação e receita também em setembro

O verão deste ano tem-se revelado positivo para a maioria das unidades hoteleiras do Algarve. Em julho e agosto, a hotelaria algarvia viu os indicadores da ocupação e preço médio dar um salto face ao ano passado. E em setembro, as perspetivas é que os crescimentos se mantenham.

Em entrevista ao Ambitur.pt, Jorge Oliveira, diretor-geral do Four Seasons Fairways, na Quinta do Lago, afirma que  as perspetivas para o último mês de verão são positivas e que têm já confirmada uma “ocupação que supera a registada em 2014”. Uma realidade também encontrada no Monte da Quinta Resort. “Para o mês de setembro já vamos com uma taxa de ocupação de 65%, sendo que a primeira quinzena está com ocupação idêntica a agosto, com mais de 87% de ocupação até dia 15/09”, afirma Inês Longueiro, chefe de vendas da unidade.

No Hilton Vilamoura espera-se um aumento de 12% ao nível da ocupação face ao ano passado e de cerca de 4% ao nível do preço médio. Já no seio do grupo Onyria, a perspetiva é que o último mês de verão deste ano fique 7% acima do ano passado.

No grupo Dom Pedro Hotels, e segundo Pedro Ribeiro, Sales and Marketing Director, “setembro irá manter a tendência dos meses anteriores com crescimentos nas receitas a rondar os 10%”. No Rocha Brava Village Resort, e de acordo com Anke Geurts, General Manager, a ocupação deve chegar aos 75%.

Joachim Hartl, diretor geral do Conrad Algarve, relembra que “as reservas de última hora continuam a marcar a tendência no Algarve”. No entanto, e segundo o responsável, “estamos bastante otimistas quanto aos níveis de ocupação para setembro, até porque o perfil de hóspede que opta por estas datas vem com um espírito diferente, e seguramente que receberemos muitos casais ao contrário das famílias que compõem uma considerável percentagem de ocupação de julho e agosto”.

Também no EPIC SANA Algarve as reservas já efectuadas estão acima das expetativas do grupo, afirma o administrador Carlos Silva Neves.

Raquel Pedrosa Loureiro