WTTC: Como será “o novo normal” quando começarmos a viajar?

WTTC: Como será “o novo normal” quando começarmos a viajar?

O World Travel & Tourism Council (WTTC) mostra como o “novo normal” será à medida que os países comecem a pôr fim aos confinamentos e a abrandar as restrições de viagens provocadas pela Covid-19.

“Viajar num novo Normal” faz parte do plano da WTTC que inclui passos essenciais e ações coordenadas, incluindo novas normas e protocolos, que oferecem um caminho seguro e responsável para a recuperação do setor do turismo quando os consumidores começarem a planear as viagens de novo.

A WTTC afirma que o setor enfrentará um regresso gradual às viagens nos próximos meses à medida que um “novo normal” emerge antes de uma vacina ficar disponível em grande escala.

As viagens deverão retomar primeiro nos mercados domésticos; depois para os vizinhos mais próximos de um país antes de se alargarem pelas regiões, e finalmente pelos continentes para acolher o regresso às viagens para destinos internacionais de longo curso.

A WTTC acredita que os viajantes mais jovens no grupo dos 18 aos 35 anos, que parecem ser menos vulneráveis à Covid-19, poderão estar entre os primeiros a começar a viajar de novo.

Gloria Guevara, presidente e CEO da WTTC, “é vital para a sobrevivência do setor do turismo e das viagens que trabalhemos juntos e definamos um caminho para a recuperação, através de medidas coordenadas, e ofereçamos conforto às pessoas que precisam de começar a viajar de novo”.

E diz ainda: “Devemos evitar novos procedimentos desnecessários que criem estrangulamentos e abrandem a recuperação. No entanto, um reinício rápido e eficaz das viagens apenas acontecerá se os governos de todo o mundo chegarem a acordo quanto a um conjunto comum de protocolos de saúde desenvolvido pelo setor privado”.

Estes novos protocolos e normas estão a ser definidos como resultado de conversas múltiplas conversas e feedbacks com os membros da WTTC, bem como em colaboração com associações que representam os diferentes setores do turismo. Aqui incluem-se a IATA, o ACI, a CLIA, a USTA, a PATA, o ICAO, a OCDE, a ETC e a OMT.

A IATA, ACI e ICAO estão a juntar os seus conhecimentos e a trabalhar de perto para definir os melhores protocolos para manter viajantes e funcionários em segurança de modo a que o setor da aviação possa recuperar. A OMS e outros peritos de saúde também contribuíram com a sua experiência de várias crises médicas globais.

Oferecendo limpeza de excelência, normas de higiene melhoradas e garantindo a segurança dos hóspedes, os hotéis estão a desenvolver protocolos com base no que aprenderam ao oferecer quartos a trabalhadores do sistema de saúde durante a crise da Covid-19.

Haverá novos protocolos para efetuar o check-in envolvendo tecnologias digitais; postos de antisséticos para as mãos em pontos frequentes incluindo onde a bagagem está guardada; pagamento “contactless” em vez de dinheiro; usar mais a escadas em vez de elevadores onde a regra dos dois metros seja mais difícil de manter; e o equipamento de fitness mais separado, são outros exemplos.

As companhias de cruzeiros vão ter novas medidas para garantir que os navios não têm Covid-19, inculuindo o pessoal a usar luvas sempre, as quais são frequentemente mudadas; e limpeza dos quartos com maior frequência.

Os passageiros nos aeroportos serão testados antes de voarem e ao chegarem ao seu aeroporto de destino. Podem esperar medidas de distanciamento social no aeroporto e durante o embarque, bem como o uso de máscaras a bordo.

Os aviões também serão sujeitos a regimes intensivos de limpeza. Estas medidas serão combinadas com a identificação de contactos, através de uma app móvel, que permita que os voos deixem os aeroportos sem Covid-19.

Os protocolos, que foram desenvolvidos usando a experiência da recuperação inicial da China e de novas normas de sucesso usadas por retalhistas, serão anunciados na sua totalidade nas duas próximas semanas e partilhadas globalmente com os governos, para que haja uma abordagem coordenada às viagens.

Há sinais positivos. Uma pesquisa da Cirium revela que mais de 30% da capacidade doméstica regressou ao mercado de aviação chinês nos últimos dois meses. Os voos domésticos também retomaram em alguns países, tais como o Vietname.

Para acelerar a recuperação global a WTTC garante ir continuar a trabalhar de perto com o G20, a UE e organizações e governos internacionais de todo o mundo para traduzir os novos protocolos em políticas públicas facilmente adotadas pelos países ao aderirem a normas globais comuns.