WTTC: Covid-19 ameaça 50 milhões de empregos no Turismo

WTTC: Covid-19 ameaça 50 milhões de empregos no Turismo

O World Travel & Tourism Council (WTTC) divulgou hoje que a pandemia do Covid-19 coloca em risco até 50 milhões de postos de trabalho na indústria do Turismo.

Gloria Guevara, presidente e CEO do WTTC, afirma que “os números revelam o impacto severo no setor global do Turismo do atual surto de Covid-19 com análises a sugerirem que até 50 milhões de postos de trabalho estarão em risco no setor globalmente”. E acrescenta: “quando chegar a altura, o WTTC e o setor privado global estarão preparados para ajudar e apoiar os Governos e países a recuperarem”.

Os indicadores mais recentes do WTTC, que representa o setor privado global do Turismo, mostram que as viagens poderão ser prejudicadas até 25% em 2020. O que equivale a uma perda de três meses de viagens a nível global. Isto poderá levar a uma redução nos empregos entre 12% e 14%.

“O surto do Covid-19 representa claramente uma ameaça de peso à indústria como um todo, aos que trabalham nela, e àqueles que desejam continuar a viajar. O Turismo tem forças para ultrapassar este desafio e irá emergir mais forte e mais robusto tomando todas as medidas necessárias para enfrentar o Covid-19 e a preocupação compreensível que o rodeia”, indica.

Após consultas a outras organizações de turismo, o WTTC também está a pedir que sejam tomadas uma série de medidas que permitam a recuperação rápida do setor assim que o Covid-19 estiver controlado. O WTTC irá assim oferecer apoio a todos os governos, especialmente àqueles que estiverem a implementar políticas rígidas para uma recuperação célere, tais como:

1. Facilitar as viagens – remover ou simplificar vistos sempre que possível, reduzir o custo e melhorar os prazos de processamento onde for possível, aceitar outros vistos quando for adequado e introduzir mais tecnologias eficientes para viagens em segurança e contínuas.

2. Remover barreiras – garantir que barreiras desnecessárias sejam removidas ou aliviadas para reduzir a pressão nos portos e aeroportos, incluindo o levantamento temporário da política de slots 80-20, atribuição de portos e implementar vistos de trabalho flexíveis para a indústria em alguns países onde existam limitações, especialmente no alojamento e na operação turística.

3. Atenuar políticas fiscais – reduzir e remover impostos aos viajantes que aumentem o custo de viajar, por exemplo, taxas de aeroporto e outras de alojamento e portuárias.

4. Introduzir incentivos – introduzir incentivos para apoiar a continuidade empresarial para empresas que forma mais afetadas pelo vírus. As PMEs, em particular, irão demorar mais tempo a recuperar.

5. Apoiar os destinos – aumentar orçamentos e atribuir recursos para a promoção, marketing e desenvolvimento de produto em destinos quando estes estiverem preparados para receber visitantes de novos.

Neste momento, o WTTC vem reforçar a importância de parcerias público-privadas e de uma maior cooperação internacional para responder e ultrapassar os desafios enfrentados pelo setor durante a gestão e recuperação do Covid-19. O setor do Turismo já demonstrou, segundo o WTTC, um recorde de alta resiliência perante crises e esta capacidade de recuperar depressa melhorou muito nos últimos anos.