WTTC: Turismo em Portugal pode superar níveis de 2019 em 2023; este ano o país será o 4º mais procurado da Europa

WTTC: Turismo em Portugal pode superar níveis de 2019 em 2023; este ano o país será o 4º mais procurado da Europa

A WTTC acaba de revelar que o setor do turismo em Portugal vai impulsionar a recuperação económica nacional e pode mesmo superar os níveis pré-pandémicos em 2023, quando se espera que aumente quase 4,8% acima dos níveis de 2019. A previsão da WTTC revela que o contributo total do setor para o PIB pode atingir quase 39,5 mil milhões de euros no próximo ano, representando 17,4% da economia total. O emprego no setor também poderá exceder os níveis de 2019, criando mais de 3200 postos de trabalho adicionais, e atingindo mais de um milhão no final de 2023.

Segundo os últimos dados do organismo, o PIB do turismo deverá crescer a uma média de 3,4% anualmente ao longo da próxima década, três vezes mais do que a taxa de crescimento de 1,1% da economia global do país, chegando a mais de 50 mil milhões de euros (20,2% da economia total) em 2023.

As estimativas também indicam que o setor turístico em Portugal deverá criar quase 193 mil postos de trabalho nos próximos 10 anos, em média mais de 19 mil postos de trabalho a cada ano, ultrapassando os 1,1 milhões empregados no setor em 2032.

Após o impacto devastador da Covid-19, Portugal está a demonstrar uma forte recuperação, sendo que no final deste ano o contributo total do setor para o PIB deverá crescer 54,7% para mais de 35,8 mil milhões de euros, representando 16,2% do PIB total.

O emprego no setor deverá aumentar 5,6% para chegar a mais de 953 mil postos de trabalho.

Segundo a ForwardKeys, parceira da WTTC, os mais recentes dados de reservas de voos indicam um verão promissor no país. Os dados mostram que Portugal deverá ser o quarto destino europeu mais popular este verão, com um aumento de 179% em termos homólogos no que diz respeito às chegadas internacionais, e ficando a apenas 9% dos níveis pré-pandemia. Além disso, as reservas de voos estão a superar os níveis pré-pandémicos, com reservas dos EUA, Países Baixos, Dinamarca e Alemanha a subirem, respetivamente, 41%, 36%, 29% e 11%.

Julia Simpson, presidente e CEO da WTTC, afirma: “A Covid-19 provocou o caos no turismo de Portugal, afetando milhões de fontes de rendimento e tendo um impacto na economia nacional. O futuro do turismo em Portugal é muito otimista. O crescimento vai ultrapassar o PIB nacional e criar quase 200 mil novos postos de trabalho ao longo da década. O governo português está a fazer um ótimo trabalho.”

Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, refere: “O nosso objetivo é claro – queremos posicionar Portugal como um dos destinos turísticos mais competitivos, seguros e sustentáveis do mundo. Perante esta meta, estamos felizes por nos juntarmos à WTTC para garantirmos que os turistas e as empresas saibam, compreendam e estejam interessados em fazer um compromisso para alcançar destinos turísticos sustentáveis. Para um melhor planeta, um melhor turismo.”

O contributo total do turismo para o PIB português representou 17,1% (37,6 mil milhões de euros) em 2019, caíndo para 8,7% (17,4 mil milhões de euros) em 2020 e reduzindo para metade o contributo do setor para a economia total (53,6%).

O setor também sustentou mais de um milhão de postos de trabalho antes da pandemia provocar uma paragem das viagens internacionais, o que resultou numa perda de 160 mil postos de trabalho (15,6%), descendo para 850 mil em 2020.

Segundo o último relatório de impacto económico da WTTC, 2021 assistiu ao início da recuperação no setor turístico português. No ano passado, o seu contributo para o PIB subiu 32,6% em termos homólogos, atingindo os 23,1 mil milhões de euros. Mas a recuperação do emprego foi mais lenta, com a criaçãod e apenas 50 mil postos de trabalho no setor, atingindo os 900 mil

A WTTC diz que o contributo do setor para a economia e o emprego poderia ter sido superior se não fosse o impacto da variante Ómicron, que conduziu a uma recuperação vacilante em todo o mundo, com muitos países a voltarem a implementar fortes restrições às viagens.