Os 20 anos da Carristur

Os 20 anos da Carristur

Categoria Advisor, Opinião

Por António Proença, gerente Carristur

A Carristur, que recentemente comemorou 20 anos de existência, atua em duas principais áreas: Turismo e Formação.

Várias foram as ações que assinalaram esta data, tanto para colaboradores como para clientes, mas a expressão que vincou estas celebrações foi o agradecimento, internamente, a todos os que diariamente fazem a empresa, pelo seu contributo, porque só as grandes equipas superam os desafios diários colocados pelo mercado.

Agradecemos igualmente aos nossos parceiros e clientes, pois sem eles nada tem sentido.

Estamos em crer que temos conseguido surpreender com novos produtos, promovendo experiências de excelência aos turistas, novas formas de comunicação, novas plataformas de vendas, simplificando o processo de venda, frotas renovadas melhorando o conforto da experiência, um marketing mais forte, eficiente e eficaz, outros modos de transporte, etc…

Na área de turismo, a Carristur, sob a marca Yellow Bus, apresenta-se como um verdadeiro guia turístico local de sete das mais emblemáticas cidades portuguesas: Lisboa, Porto, Madeira, Coimbra, Braga, Guimarães e Açores, afirmando-se, cada vez mais, como o principal operador a nível nacional. Em Lisboa, opera, em regime de exclusividade, circuitos em eléctrico histórico e um serviço de ligação regular em autocarro entre o Aeroporto e os principais hotéis da cidade (Aerobus).

Na área de formação, a Carristur promove e realiza ações de Formação Profissional no domínio da gestão e exploração de transportes urbanos e regionais e a exploração de alugueres.

Em 2016, inaugurou a Escola de Condução CARRISTUR, com base no conhecimento e experiência adquiridos ao longo de décadas pela sua equipa formativa, distinguindo-se pela metodologia adoptada e pela taxa de sucesso que ronda os 100%.

Estamos focados em continuar a trilhar o futuro com Esperança, a construir o caminho todos os dias com motivação mas sobretudo a procurar sermos felizes naquilo que construímos.

Este artigo foi publicado na edição 318 da Ambitur