As Escolhas de… Cristina Branco

As Escolhas de… Cristina Branco

A vida de Cristina Branco, que nasceu em 1972, em Almeirim, cruzou-se com o fado por acaso, como uma brincadeira. Conhecia alguns fados de ouvido, graças ao avô materno, que aos 18 anos lhe ofereceria a obra menos conhecida de Amália Rodrigues, “Rara e Inédita. Mesmo alguns meses antes de pisar um palco pela primeira vez, em Amesterdão, em 1996, Cristina nunca imaginar ser uma intérprete amadora, procurando antes a “arte” do Jornalismo. Hoje é cantora de alguns dos maiores poetas do país, como Camões, Pessoa, David Mourão Ferreira ou José Afonso, e faz do seu modo de entender o fado uma espécie de porta-voz da Poesia e da Literatura do cancioneiro nacional. O primeiro disco “Cristina Branco Live in Holland” é gravado em 1996, chegando a cinco mil vendidos. O mais recente trabalho de originais chama-se “Menina”.

Melhor Hotel Português… “A Herdade do Sobroso, junto ao Alqueva, porque os sítios onde fomos felizes um dia (muitos dias) serão sempre os melhores sítios para voltarmos”.

Melhor Hotel no Estrangeiro… “Na Namíbia, durante aquela que foi até hoje, a viagem da minha vida, Little Kulala, Sossuvlei, no deserto mais misterioso e mágico, perto dos Himba!”

Melhor Restaurante Portugal… “Não posso dizer porque depois não consigo lugar para jantar, sem reserva!”

Melhor Restaurante Estrangeiro…“La Truffiére, no 5éme parisiense. Uma perdição!”

Livro a não perder… Cem Anos de Solidão, Gabriel Garcia Márquez.
O escritor colombiano, Prémio Nobel da Literatura em 1982, tem nesta obra uma das mais importantes da literatura latino-americana, e uma das mais lidas e traduzidas de todo o mundo. A história passa-se numa aldeia fictícia da América Latina chamada Macondo, fundada pela família Buendía – Iguarán.
Uma música que a tenha marcado… “Strange Fruit, cantado por Billie Holiday, uma canção cheia de significado político, por uma mulher que sentiu na pele e debaixo do sangue o que era a repressão social feita aos Afro-Americanos em plenos anos 30/40”.

Um filme memorável… Era uma vez na América.
O filme, realizado por Sergio Leone e baseado no livro de Harry Grey, conta com Robert de Niro, James Woods, Elizabeth McGovern, Joe Pesci e Burt Young nos principais papéis. Conta a história de um grupo de amigos de ascendência judaica que crescem juntos a cometer pequenos crimes nas ruas do Lower East Side, em Nova Iorque.

Artista/compositor preferido… “Isto não se pergunta a uma cantora, não é justo!”

Praia da sua eleição… “Toda a costa portuguesa, de Caminha à Praia Verde é deslumbrante e todas, sem exceção, têm um porquê para as eleger como singulares. Não seria honesta se apontasse apenas uma”.

A melhor cidade do mundo… “Amesterdão. Aqui é um ponto de vista muito particular, de alguém que conhece muito bem a cidade, a cidade que eu escolhi para viver temporariamente com a minha família (é uma cidade perfeita para quem tem filhos), onde podemos percorrer facilmente todo o seu perímetro de bicicleta, tranquilamente, parar em qualquer parte para nos derramarmos sobre os canais, derretermos-nos com os detalhes de muitos recantos, visitar alguns dos melhores museus do mundo, dormir uma sesta na relva do Vondel Parc, enfim, para mim é sinónimo de casa!”

A última viagem que fez… “A última grande viagem de férias foi à Índia e, tal como na Namíbia, não se esquece, pelos contrastes, pela beleza das cores, pela história milenar. Já depois dessa fui de férias ao Japão para rever Quioto e o Monte Fuji, mas sobretudo para me perder em Tóquio! Acontece quando visito alguns países em trabalho, eles não me revelarem todo o seu encanto, fico mesmo a ponderar se não será exagerado este ou aquele comentário que vou ouvindo, por isso gosto de regressar com outro tempo e a pé, gosto do ponto de vista do visitante (nunca numa perspetiva de turista) sem mapa, que deixa que os sítios ‘lhe aconteçam'”.

A próxima viagem que fará… “Não será de lazer, mas agrada-me muito rever a bela Bretanha, ainda que por breves dias e em passo acelerado”.

O que nunca se esquece de levar consigo quando viaja… “Os ténis para uma corrida e/ou visitar a cidade”.