IATA considera insuficientes medidas da CE para proteger companhias aéreas

IATA considera insuficientes medidas da CE para proteger companhias aéreas

Categoria Advisor, Associativismo

As novas recomendações da Comissão Europeia (CE) sobre os direitos dos passageiros, no contexto da pandemia de Covid-19, são insuficientes, segundo a Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA), que aponta para as compensações aos passageiros pelo cancelamento de voos.

Face às fortes restrições no espaço aéreo mundial e aos cancelamentos de voos, as novas guias da CE, publicadas na terça-feira, são “dececionantes e de pouca ajuda”, assinalou a IATA, que representa cerca de 300 transportadoras aéreas de todo o mundo, num comunicado conjunto com a plataforma Airlines for Europe (A4E).

Ainda assim, a IATA e a A4E manifestaram a sua esperança em que, de acordo com as novas linhas traçadas pela CE, muitas compensações não tenham que ser pagas, já que os cancelamentos por proibição de voos ou por procura extremamente baixa, são consideradas “circunstâncias extraordinárias” em que não se aplicaria o direito de o passageiro ser indemnizado.

As companhias aéreas tinham também pedido a Bruxelas a suspensão de outras obrigações para com os passageiros em caso de cancelamento de voos por causa da Covid-19, e para poderem usar com mais flexibilidade o reagendamento de voos ou os cupões de oferta (vouchers) como forma de pagamento aos clientes.

Mas, segundo as entidades que representam as transportadoras aéreas, tais pretensões foram ignoradas pela CE.

“Não se deu flexibilidade, nem se limitaram as obrigações num período de crise para a indústria da aviação, o que significa que as linhas aéreas são potencialmente responsáveis pelos passageiros que tenham ficado fechados por decisões estatais de encerrar as fronteiras”, lamentam as entidades.