INE: hotelaria cresce em setembro impulsionada por não residentes

INE: hotelaria cresce em setembro impulsionada por não residentes

A hotelaria registou 2,2 milhões de hóspedes e 6,3 milhões de dormidas em setembro de 2017, correspondendo a variações de 7,9% e 5,1% (5,0% e 3,7% em agosto, respetivamente). As dormidas do mercado interno cresceram 1,4% (1,7% em agosto), enquanto as dos mercados externos registaram um aumento de 6,5% (4,8% no mês anterior).

A estada média (2,82 noites) reduziu-se 2,6%. A taxa de ocupação-cama (63,5%) aumentou 0,9 p.p. Os proveitos totais aceleraram para um crescimento de 16,0% (12,4% em agosto) e atingiram 406,7 milhões de euros. Os proveitos de aposento atingiram 303,1 milhões de euros e também evidenciaram aceleração, com uma subida de 18,6% em setembro (13,1% no mês anterior).

Em setembro de 2017, a hotelaria alojou 2,2 milhões de hóspedes que proporcionaram 6,3 milhões de dormidas (+7,9% e +5,1%, respetivamente), acelerando face a agosto (+5,0% e +3,7%, respetivamente). Entre janeiro e setembro apuraram-se aumentos de 8,6% para os hóspedes e 7,2% para as dormidas. As dormidas em hotéis (68,3% do total) apresentam um crescimento de 6,7% e os apartamentos turísticos (9,0% do total) evidenciaram um aumento de 5,3%. As restantes tipologias e respetivas categorias registaram evoluções maioritariamente positivas e, entre as mais relevantes, realça-se a de hotéis de três estrelas (+13,7%; quota de 15,8% no total).

Mercados externos aceleraram
Em setembro, os mercados externos aceleraram para um crescimento de 6,5% (4,8% em agosto; 5,2% em julho), atingindo 4,6 milhões de dormidas. O mercado interno contribuiu com 1,6 milhões de dormidas em setembro, que representaram um crescimento de 1,4% (+1,7% em agosto; +3,7% em julho).

Nos primeiros nove meses do ano, o mercado interno registou 12,8 milhões de dormidas (+3,4%), enquanto os mercados externos geraram 33,4 milhões de dormidas (+8,7%).

Mercados norte-americano, italiano e polaco com crescimentos expressivos
Os 13 principais mercados emissores representaram 84,8% das dormidas de não residentes. As dormidas de hóspedes britânicos (24,5% do total das dormidas de não residentes) pouco oscilaram em setembro (-0,2%). No conjunto dos primeiros nove meses do ano este mercado cresceu 2,8%.

O mercado alemão retomou a posição de segundo mais relevante (quota de 13,8%), aumentando 4,2%. No período de janeiro a setembro este mercado cresceu 7,7%. O mercado francês (9,6%) manteve a tendência decrescente dos últimos meses (-1,9% em setembro) e recuou 0,1% desde o início do ano. O mercado espanhol (8,2%), depois de dois meses em diminuição, voltou a crescer e registou aumentos de 4,5% em
setembro e 1,4% nos primeiros nove meses do ano, mas ainda assim não suficientes para se manter como segundo maior mercado.

Entre os principais países, destacaram-se os crescimentos apresentados em setembro pelos mercados norte-americano (29,9%), italiano (23,4%) e polaco (23,3%). Nos primeiros nove meses do ano, sobressaíram as evoluções nos mercados brasileiro (45,0%), norte-americano (31,4%) e polaco (25,7%).

Crescimento da região Centro destacou-se
Em setembro, observaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões, com realce para o Centro (+16,2%), RA Açores (+12,7%) e Alentejo (+11,6%). As dormidas concentraram-se essencialmente no Algarve (peso de 36,5%) e AM Lisboa (22,1%). Neste mês houve um incremento total de 304,4 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 30,7% foi proveniente do Centro (93,5 mil dormidas adicionais), 17,9% da AM Lisboa (acréscimo de 54,5 mil dormidas) e 16,1% do Algarve (49,0 mil dormidas acrescidas). No período de janeiro a setembro todas as regiões apresentaram crescimentos, salientando-se as evoluções registadas na RA Açores (+17,1%) e Centro (13,5%).

Em setembro, em termos de aumentos nas dormidas de residentes, destacaram-se a RA Açores (+12,7%) e RA
Madeira (+5,1%). Nos primeiros nove meses do ano, as evoluções das dormidas de residentes evidenciaram-se na RA Açores (+18,1%) e Alentejo (+7,6%).

As dormidas de não residentes apresentaram evoluções positivas em todas as regiões, em setembro, sobressaindo o Centro (+31,8%), o Alentejo (+24,0%) e a RA Açores (+12,7%). Nos primeiros nove meses do ano estas regiões também se destacaram no que respeita aos aumentos de dormidas de não residentes, apresentando crescimentos de 27,4%, 15,5% e 16,5%, respetivamente.

Estada média reduziu-se
A estada média (2,82 noites) reduziu-se 2,6% e apenas no Centro se verificou um aumento neste indicador (+2,0%). A RA Madeira registou a estada média mais elevada (5,39 noites) e a redução mais pronunciada (-4,4%), entre as várias regiões.

Taxa de ocupação aumentou
A taxa líquida de ocupação-cama (63,5%) aumentou 0,9 p.p. (+0,2 p.p. em agosto). As taxas de ocupação mais elevadas ocorreram na RA Madeira (78,9%) e AM Lisboa (68,5%). Os maiores aumentos na taxa de ocupação registaram-se na RA Açores (+4,8 p.p.) e Centro (+4,7 p.p.).

Proveitos aceleraram
Os proveitos totais atingiram 406,7 milhões de euros e os de aposento 303,1 milhões de euros (+16,0% e +18,6%, respetivamente), acelerando face ao mês anterior (+12,4% e +13,1%, respetivamente) e superando também os resultados de julho (+13,1% e +15,2%, pela mesma ordem).

Todas as regiões registaram aumentos nos proveitos, com maior evidência na AM Lisboa (23,5% nos proveitos totais e 28,2% nos de aposento) e Centro (23,0% e 23,3%, respetivamente).

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 70,1 euros, que se traduziu num aumento de 16,7% em setembro (10,9% no mês anterior). Na AM Lisboa e Algarve o RevPAR ascendeu a 103,9 euros e 76,9 euros, respetivamente. Destacaram-se os crescimentos na AM Lisboa (25,8%), Centro (20,9%) e Norte (19,3%). A evolução do RevPAR foi globalmente positiva entre as diversas tipologias e respetivas categorias, salientando-se a evolução registada nos aldeamentos turísticos (+19,3%), nas pousadas (+18,0%) e nos hotéis (+17,4%).

Parques de campismo e colónias de férias
Em setembro de 2017, os parques de campismo hospedaram 228,6 mil campistas (+1,1%) que proporcionaram 728,3 mil dormidas (+3,2%). Para o aumento das dormidas contribuíram o mercado interno (+3,1%) e os mercados externos (+3,4%). Os residentes em Portugal predominaram, representando 70,2% do total de dormidas. A estada média (3,19 noites) reduziu-se 2,0%.

As colónias de férias e pousadas da juventude registaram 37,1 mil hóspedes (+6,9%) e 74,0 mil dormidas (+16,8%) em setembro. O mercado interno representou 68,1% do total das dormidas e cresceu 8,0%, enquanto os mercados externos cresceram 39,9%. A estada média (2,00 noites) reduziu-se 8,5%.