B&B Hotel Porto Gaia é um “ativo de futuro” e vai responder às tendências que a Covid-19 acelerou

B&B Hotel Porto Gaia é um “ativo de futuro” e vai responder às tendências que a Covid-19 acelerou

O Grupo Casais já lançou a primeira pedra do B&B Hotel Porto Gaia. Trata-se de um projeto, que contempla um hotel de três estrelas e 14 espaços para escritórios, que estarão localizados na zona poente do edifício, com acesso direto e sem atendimento ao público. A unidade terá 11 pisos, 210 quartos e capacidade para 439 camas. O empreendimento terá ainda um parque de estacionamento com capacidade para 63 lugares.

Torcato Faria

À Ambitur.pt, Torcato Faria, Country Manager B&B Portugal, revela que se trata de um projeto com um “valor de obra de cerca de 12,5 milhões de euros” num “investimento global de 17,5 milhões de euros”. Com a assinatura do arquiteto Fernando Rocha da URBIS, a conclusão da obra está prevista para o início de 2022. 

A “confiança” com que o Grupo Casais e a B&B Hotels estabeleceram desde 2018, já resultou na “construção de soluções” que “oferecem um equilíbrio entre a qualidade e a funcionalidade”, vinca o responsável, dando nota que o Grupo Casais já é “responsável pela construção de seis unidade hotelarias” do B&B Hotels.

Face ao panorama atual,Torcato Faria refere que este lançamento (da primeira pedra do B&B Hotel Porto Gaia) tem um significado ainda mais especial: “E, se o que caracteriza este momento é o distanciamento social, então este projeto simboliza a aproximação e colaboração institucional”. Para o responsável conceitos como, “vivência, mobilidade e trabalho”, estavam já em alteração antes da pandemia, acreditando que este novo hotel “vem dar resposta a esses mesmos conceitos”. Além disso, o espaço está dedicado ao “alojamento” numa filosofia “econochic”, onde é “dado lugar de destaque ao cliente bem visível no conceito ´smart sleep`do B&B Hotels”, refere o responsável. Nas questões tecnológicas, Torcato Faria destaca o recurso à “tecnologia BIM” onde “conseguimos capitalizar o investimento na digitalização” do negócio, com um “aumento da produtividade”. 

“Temos a certeza que estamos a implantar um edifício com uma capacidade de perdurar por muito tempo”

António Carlos Rodrigues

O futuro B&B Hotel Porto Gaia é visto pelo Grupo Casais como um “ativo de futuro”, devido ao contínuo “desenvolvimento” de um “conjunto de conceitos de construção” que visam a “introdução de uma flexibilidade adicional ao interior dos edifícios”, refere António Carlos Rodrigues, CEO do Grupo. A “excelente localização” do novo hotel é a razão pela qual “estamos a dar muito importância à fachada” que confere uma “presença na praça” numa “convivência em simbiose com o El Corte Inglês”, destaca o responsável. Estando o hotel localizado na Avenida da República, o engenheiro acredita que se trata de um ativo diferenciador: “Temos a certeza que estamos a implantar um edifício com uma capacidade de perdurar por muito tempo adaptando-se com uma maior facilidade a quaisquer novos hábitos ou usos que o futuro venha a reservar”.

O Grupo Casais é a empresa responsável pela construção deste projeto, sendo simultaneamente promotor da unidade hoteleira: “Entendemos que esta seria a melhor forma de mostrar que acreditamos na melhoria dos processos construtivos e nada melhor que ser o dono do ativo para provar que acreditamos no resultado final”. António Carlos Rodrigues acredita que o B&B Hotel Porto Gaia é um projeto que vai ao encontro dos objetivos do grupo, que tem procurado “criar soluções construtivas que oferecem um equilíbrio entre a qualidade e a funcionalidade”, com enfoque nos temas ligados à “operação” e “manutenção”, sem esquecer a “adaptabilidade” e a “flexibilidade futura”. 

No âmbito da parceria, o Grupo Casais é a empresa responsável pela construção de seis unidades hoteleiras do Grupo B&B Hotels, destacando a abertura, na próxima semana, do mais recente B&B Hotel Lisboa Aeroporto. Além disso, a empresa assume também a promoção de outros cinco B&B hotéis: Montijo, Oeiras, Vila Nova de Gaia, Olhão e Guimarães. Com estes projetos, o CEO do Grupo refere que “estamos a impulsionar o desenvolvimento técnico com vista à criação de produtos próprios dentro das nossas empresas associadas e nas nossas parceiras”. 

“Novo marco de sustentabilidade e produtividade”

Embora a pandemia tenha trazido inúmeros desafios, António Carlos Rodrigues acredita que este ciclo de investimentos em ativos que vão ser geridos e explorados pela B&B Hotels “assentam num conjunto de premissas que a Covid-19 vem reforçar e confirmar”. E, “quando os conceitos e filosofias de negócio estão alinhados com as tendências, encara-se o futuro com mais confiança”, declara o responsável. O “interesse” de vários investidores em “bons ativos” leva o CEO do Grupo Casais a acreditar no “sucesso” desta parceria que, desde o início, tem demonstrado um “trabalho colaborativo” entre “quem tem a visão” e “quem a materializa”.

Também, a parceria recém-anunciada com a CREE Buildings vai permitir, nos próximos projetos, “elevar ainda mais a fasquia”, ao “introduzir uma solução construtiva híbrida de madeira e betão”, afirma o responsável, acreditando que esta inovação será um “novo marco de sustentabilidade”, no que diz respeito a edifícios, “com um impacto na redução das emissões de CO2 para um quinto do tradicional”. Além disso, o responsável acredita que será, igualmente, um “novo marco de produtividade”, que permite uma “grande precisão e aceleração do processo construtivo”. O futuro está assim em linha com os propósitos da empresa: “Estamos na vanguarda do que será o futuro da construção e estamos a criar conceitos de Habitats onde a saúde, conforto, vivência, qualidade e preço andam de mãos dadas”.