AHRESP alerta para a queda da empregabilidade nos setores do alojamento, restauração e bebidas

AHRESP alerta para a queda da empregabilidade nos setores do alojamento, restauração e bebidas

Categoria Advisor, Associativismo

O Conselho Consultivo da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), reuniu em Vilamoura este fim-de-semana, para analisar as implicações da proposta do Orçamento de Estado para 2016, na situação económica e social da Restauração, da Hotelaria, do Turismo e do nosso país, bem como o desemprego nestes setores, que atingiu a pior taxa dos últimos 8 anos.

Segundo a AHRESP, neste encontro, foi saudada a decisão do governo em repor a taxa de IVA nos serviços de alimentação e bebidas nos 13%, a partir do próximo dia 1 de julho e foi igualmente decidido continuar as negociações com o governo para a definição dos últimos detalhes técnicos, no tocante à problemática da diferenciação das taxas de algumas bebidas, numa prestação de serviços que é unívoca – o serviço de refeições. O Conselho Consultivo sublinhou ainda a total disponibilidade da AHRESP para participar no grupo de trabalho que vai monitorizar os efeitos destas decisões.

Foram ainda analisados os dados do emprego na Restauração e Hotelaria referentes ao final de 2015 e que confirma que este “foi o ano de mais baixo emprego dos últimos oito anos, em que houve uma variação homóloga negativa de -17.700 postos de trabalho (-6,4%), face a 2014, e de -31.700 postos de trabalho (-10,9%), face a 2011, último ano da taxa do IVA a 13%”.

Igualmente foram avaliados os dados, acabados de publicar, pelo Banco de Portugal, que confirma que se acentuam desde 2011 os rácios de créditos vencidos, com elevadas percentagens de EBITDA’s e capitais próprios negativos.

Para a AHRESP, é urgente “reverter esta tendência”. No próximo dia 1 de março, nas Jornadas AHRESP-OCC, o Primeiro-Ministro, e vários membros do governo, farão o balanço da situação, e irão refletir com cerca de 1.500 participantes, sobre as medidas a aplicar no curto e médio prazo.