As Escolhas de… Miguel Simões de Almeida

As Escolhas de… Miguel Simões de Almeida

Formado na Suíça, com um mestrado em Marbella, o Chef Miguel Simões de Almeida está desde 2016 à frente de um novo projeto, que resulta de um investimento de seis sócios franceses. Trata-se da Praia da Princesa, na Costa da Caparica.

Antes o Chef passou por outros espaços, como o restaurante Verbasco, na Quinta da Marinha, Cascais, o restaurante Praia do Peixe (atualmente Sal) do grupo Lagrimas Hotels and Emotions, tendo ainda feito consultoria para a Starfoods, Taberna Moderna ou o El Corte Inglés. Eis as suas escolhas para a Ambitur…

São Lourenço do Barrocal

Melhor Hotel Português… “S. Lourenço do Barrocal, em Monsaraz. Combinação perfeita de campo e luxo despretensioso. Sítio cheio de história e simplicidade, que nos faz sentir em casa. Restaurante magnífico, quartos e Spa ao nível dos melhores hotéis de luxo do mundo”.

Melhor Hotel no Estrangeiro… “Thorntree River Lodge, na margem do rio Zambeze, em Livingstone, Zâmbia. Perto de Victoria Falls e do Delta do Okavango. Magnífico, se tiverem a oportunidade de visitar façam a viagem de balão de ar quente por cima do Okavango que é das coisas mais bonitas do nosso mundo”.

Loco

Melhor Restaurante em Portugal… “Há vários, se tiver de destacar só um tem de ser o «Loco» do Alexandre Silva. Elevou o serviço e a qualidade gastronómica para outro patamar. O cuidado e atenção ao cliente são apenas superados pela qualidade e modo de confeção do Chef.”

Melhor Restaurante no Estrangeiro… “Mais uma vez há vários, entre os meus favoritos está o «Nobu» de Berkeley Street, em Londres. Desde que entrei na porta até que me fui embora foi uma experiência perfeita. Serviço e gastronomia do mais alto nível com tudo o que vem no prato a fazer sentido. Uma viagem”.

Um filme memorável… “«Trading Places» com Eddie Murphy e Dan Aykroyd. Parece uma escolha infantil mas tem um significado, é um filme muito engraçado que me lembro de ver com o meu pai desde criança e que me faz lembrá-lo muito”.

Livro a não perder… “«O Conde de Monte Cristo» de Alexander Dumas. Confesso que não tenho muito tempo para ler mas este livro tem tudo. História, traição, uma fuga de prisão, vingança e uma história de amor”.

Uma música que o tenha marcado… “Confesso que não é uma escolha fácil pois gosto desde música clássica à eletrónica, tenho vários músicos e músicas de que gosto e que me dizem algo. Se tiver de escolher uma pode ser qualquer uma de Elton John, a música que mais se ouvia lá em casa quando era miúdo”.

Artista preferido… “Leonardo di Ser Piero da Vinci. Cientista, matemático, inventor, botânico, pintor, músico, poeta, anatomista, escultor, enfim, a lista não acaba. Viveu entre 1452 e 1519, quando pensamos que os primeiros desenhos do avião vêm da mão deste senhor se calhar não acreditamos. Sou fascinado com pessoas que viveram fora de época, onde poderia ter chegado se fosse vivo hoje em dia.”

Uma sugestão de vinho… “«Chateau Gazin», Pomerol França 2002 Tinto. Se tivesse de escolher algum vinho para beber o resto da vida seria este.”

Praia da Princesa

Praia da sua eleição… “A Praia da Princesa, claro. A Praia do «Lemuria Resort» na ilha de Praslin, nas Seicheles, foi o sítio mais paradisíaco em que estive até hoje”.

Melhor cidade do mundo… “Istambul, sem dúvida para mim a cidade mais bonita do mundo. Pela vida, pela loucura, pela grandiosidade, pelas pessoas, por tudo. Fabuloso.”

Última viagem que fez… “Paris. Viagem de família à Disney que, por acaso, fica numa cidade de que gosto muito”.

Próxima viagem que fará… “Bareit, Brassempouy, em França, terra do foie-gras. Tivemos a sorte de ser convidados por bons amigos a conhecer esta região no sudoeste da França que promete a nível gastronómico, que depois irei contar…”

O que não se esquece de levar consigo quando viaja… “Sem dúvida a minha família. Tenho a sorte de ser casado com uma mulher linda, que me atura, e de termos três filhas lindas que, sempre que posso, levo para todo o lado. Cresci numa casa com seis irmãos e os meus pais viajavam imenso e, sempre que podiam, levavam-nos para todo o lado. São as melhores memórias que tenho de miúdo e quero que as minhas filhas passem por essa experiência também”.

Este artigo foi publicado na edição 313 da Ambitur.