Conselheiro Ambitur: “Não podemos esquecer que a razão de ser do Turismo são as pessoas”

Conselheiro Ambitur: “Não podemos esquecer que a razão de ser do Turismo são as pessoas”

A Ambitur.pt partilha consigo o que os gestores turísticos têm a dizer sobre três questões que atualmente impactam o dia-a-dia destes profissionais.

Raul Martins, presidente da AHP e presidente do conselho de administração do Grupo Altis, deixa-nos a sua visão como “Conselheiro Ambitur”.

De que forma pode uma crise tornar-se uma oportunidade?
Quase todas as crises são oportunidades e é assim que eu gosto de as encarar, mas esta é uma crise bastante particular, de caráter sanitário, que chegou abruptamente e sem avisar, de nível mundial e em todos, rigorosamente todos, os espaços da nossa vida como indivíduos, como comunidade e em todos os setores económicos. E todos os dias temos de nos ajustar a uma nova realidade. Há um mês pensávamos que na Páscoa estaria tudo resolvido e agora já estamos a trabalhar para começar a retomar alguma atividade em junho e em regressar à normalidade depois do verão! Com esta situação vamos ter a oportunidade de dar mais valor ao que o Turismo nos oferece, conhecer novos destinos e pessoas.

Será possível, neste contexto, pensar-se o amanhã? Em que moldes?
Pensar o amanhã é acompanhar o dia a dia, mobilizar, motivar os trabalhadores, as suas famílias e as equipas, manter as estruturas que temos hoje. Uma coisa que esta pandemia já nos ensinou é que o que hoje é, amanhã não é. Para muitas empresas hoteleiras, o amanhã é saber que até ao final de junho a faturação total corresponderá a 20% do habitual e que a normalização dos mercados só acontece lá para outubro. Na expectativa de que a vacina estará disponível até à Primavera de 2021, só a partir daí a retoma se fará e levaremos dois a três anos a recuperar.

O que os gestores turísticos não devem esquecer?
Não nos podemos esquecer que a razão de ser do Turismo são as pessoas. Pelo que depois desta crise terminar temos de motivar as pessoas para que voltem a Portugal. E não nos podemos esquecer que temos um País muito rico, com uma enorme diversidade, um grande destino e que os portugueses são muito acolhedores. Como sempre, depois da tempestade haverá novas escolhas em que se dará ainda mais valor ao Turismo para melhorar a nossa qualidade de vida.