Lagoa – Destino turístico de excelência

Lagoa – Destino turístico de excelência

Lagoa é indubitavelmente um destino turístico de excelência do Algarve. Beneficiando, nos últimos anos, de vários investimentos importantes para qualificação da sua oferta, conheceu, igualmente, o reconhecimento nacional e internacional através das inúmeras distinções atribuídas.

Lagoa tem produtos da melhor qualidade. É por isso um concelho preparado para atrair visitantes com expetativas elevadas. Há, sem dúvida, uma procura crescente de turistas exigentes que procuram experiências diversificadas fora dos roteiros habituais. Lagoa disponibiliza uma multiplicidade de ofertas, que vão para além das famosas praias reconhecidas internacionalmente. A oferta enoturística existente vai dando provas da sua vitalidade e atraí cada vez mais entusiastas e amantes do vinho.

Em torno do vinho, da vinha, da gastronomia, das tradições, da arte, dos produtos artesanais ou da cultural local, enraízam-se valorosos projetos enoturísticos, em Lagoa, como a Adega Única, Monte de Salicos, Morgado do Quintão, Quinta dos Santos ou a Quinta dos Vales que aliam às tradicionais provas de vinho e visitas às quintas, experiências genuínas e memoráveis, como a visita a uma das mais antigas adegas do país, a criação artística ou a secular história de uma vinha familiar.

É ancestral a relação do concelho de Lagoa com o vinho e com a vinha. Os Fenícios apresentaram a bebida a esta região no Século VIII a. C.. Mais tarde, Romanos e os Árabes investiram nessa ligação. Em meados do século XX o concelho de Lagoa era uma referência vitivinícola na região e no país. Em 2015 o “Lagoa Wine Show” foi lançado como um dos principais eventos de promoção dessa forte ligação entre vinho e gastronomia. Juntam-se a este forte binómio, o fado e outros patrimónios locais, de que é exemplo o artesanato.

No campo da restauração, o concelho de Lagoa dispõe de uma enorme diversidade na oferta. A escolha pode fazer-se entre um leque bem variado que vai da cozinha mais genuína e tradicional à cozinha de autor. Entre as diferentes opções, encontramos no território de Lagoa casos premiados a nível nacional e internacional, incluindo os mais elevados galardões de que é exemplo a estrela Michelin.

A oferta hoteleira tem vindo, nos últimos anos, não só a aumentar como a tornar-se cada vez mais requintada. Crescentemente enquadrada no meio onde se insere, respeitando as raízes e a cultura local, a vasta gama de propostas surpreende, quer pela qualidade, quer pela quantidade.

As novas dinâmicas do turismo implicam também a modernização e a adaptação da arquitetura e do território. Os espaços urbanos tornaram-se um “produto” de elevado interesse para quem viaja ou procura conhecer novos lugares, já que se constituem como pontos de encontro entre a memória histórica e o que projetamos ou desejamos ser e viver. As cidades despertam, por isso, grande interesse turístico. Neste contexto, entre os muitos motivos que elegem os vários núcleos urbanos do concelho de Lagoa como destinos turísticos recomendados, é de sublinhar a ausência de construção massiva.

As condições para a prática desportiva – seja em diferentes escalões competitivos, seja para várias modalidades é ainda outra das marcas deste concelho. Nomeadamente o Golfe está entre as capacitações destacadas neste território. Aqui é possível a prática de golfe durante todo o ano, graças às excelentes temperaturas características da região Algarve. Mas para esta capacitação do concelho contribui a existência de três excelentes campos de golfe, a que se deverá brevemente juntar mais um, com a chancela do grupo Pestana.

Os percursos pedestres são outra das vertentes distintivas da oferta turística deste concelho. As possibilidades são múltiplas e incluem trilhos e paisagens de serra e de mar, podendo mesmo compatibilizar-se as duas. O Percurso dos «Sete Vales Suspensos» tem vindo a ser um dos mais destacados, quer por referências em meios de comunicação especializados, quer pela atribuição de prémios que o posicionam nomeadamente como «o melhor destino de caminhadas da Europa».

Este texto está publicado na edição 332 da Ambitur.