Patronato apela ao início urgente das obras do novo aeroporto do Montijo

Patronato apela ao início urgente das obras do novo aeroporto do Montijo

Categoria Business, Home, Transportes

Várias confederações patronais apelaram hoje ao Governo para que inicie, “sem mais demoras”, o processo de reconversão da base militar no aeroporto complementar do Montijo, conta a Lusa.

“É necessário que o Governo assuma, com clareza e determinação, a urgência de avançar com esta obra, essencial e estratégica para a economia nacional, dando início imediato à fase de implementação do aeroporto do Montijo”, referem as confederações em comunicado.

O apelo junta a Confederação do Turismo de Portugal (CTP), a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI).

“Tratando-se de uma infraestrutura aeroportuária de irrefutável benefício para o país e para a economia nacional – servindo os interesses de todas as atividades económicas e dos cidadãos portugueses – o aeroporto do Montijo apresenta-se, hoje, como a única solução que responderá em termos de custos, eficácia e competitividade a um problema que se arrasta desde há mais de 50 anos, com graves prejuízos para o país”, lê-se no documento.

Refira-se que o Aeroporto Humberto Delgado atingiu, em 2017, todos os fatores de capacidade fixados contratualmente com o Estado previstos para ser desencadeada uma solução alternativa para aumentar a capacidade aeroportuária da capital, referem. “Desde então, este aeroporto tem vindo a perder muitos passageiros por ano, que equivalem a muitos milhões de euros em receitas para o país”, sinalizam.

Com o aeroporto do Montijo, acrescentam, o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa permitirá um crescimento de até 50 milhões de passageiros, potenciando ainda o hub da TAP à América do Norte e à América do Sul, bem como à proximidade aos países da diáspora portuguesa.

O Governo recebeu em janeiro uma declaração de impacto ambiental favorável emitida pela Agência Portuguesa do Ambiente para a concretização da construção do novo aeroporto do Montijo. Porém, a declaração favorável está condicionada ao cumprimento de 160 medidas de mitigação, às quais a ANA – Aeroportos de Portugal terá de dar cumprimento – medidas que ascendem a cerca de 48 milhões de euros.

Aeroportos movimentaram quase 60 milhões de passageiros 

De acordo com os dados divulgados na terça-feira pela Vinci, dona da ANA – Aeroportos de Portugal, os aeroportos portugueses movimentaram quase 60 milhões de passageiros no ano passado, um crescimento de 6,9% em relação ao período homólogo.

“Os 10 aeroportos em Portugal movimentaram quase 60 milhões de passageiros em 2019, com o tráfego a aumentar 6,9%. Os aeroportos do Porto e de Lisboa, com taxas de crescimento de 9,8% e 7,4%, respetivamente, são dois dos mais dinâmicos da União Europeia”, salientou o grupo. A Vinci informou ainda que “o crescimento do quarto trimestre (6,4%) ficou em linha com a tendência geral do ano”.

De acordo com os dados divulgados pela gestora, o aeroporto de Lisboa transportou 31,1 milhões de passageiros, um aumento de 7,4%, e o do Porto atingiu os 13,1 milhões de passageiros, o que representa um crescimento de 9,8%, face ao período homólogo.

Em Faro, o aeroporto movimentou mais de nove milhões de passageiros, um acréscimo de 3,7%, enquanto na Madeira o aumento foi de 0,7%, para 3,3 milhões de passageiros e nos Açores de 6,2%, atingindo os 2,4 milhões de passageiros, face ao ano anterior.

Nas previsões para este ano, a Vinci garantiu que “continuará a trabalhar com o Governo português para converter a base aérea militar do Montijo num aeroporto civil e para modernizar o Aeroporto Humberto Delgado. O objetivo deste projeto é aumentar a capacidade de receber passageiros na capital portuguesa, acomodando o crescimento de tráfego esperado para os próximos anos”.

Globalmente, os aeroportos detidos pela Vinci movimentaram 255 milhões de passageiros no ano passado, em 46 infraestruturas, mais 5,7% do que no ano anterior, em 12 países, de acordo com o grupo.