Quinta do Bomfim aumenta oferta de enoturismo

Quinta do Bomfim aumenta oferta de enoturismo

A oferta de enoturismo da Quinta do Bomfim vai aumentar já no início do próximo ano. Charles Symington, diretor de produção do Grupo Symington, proprietário da quinta localizada no Pinhão, anunciou o desenvolvimento de um novo restaurante direcionado a um segmento mais ‘premium’ junto ao centro de visitas.

Depois da abertura da Casa dos Ecos, um pop-up que resulta de uma parceria entre a família Symington e o Chef com estrela Michelin Pedro Lemos, em 2020, a Quinta do Bomfim pretende reforçar a sua oferta aos seus visitantes. “Estamos atualmente a construir um restaurante junto ao centro de visitas que vai ter uma dimensão diferente da Casa dos Ecos”, revelou o responsável, à margem de uma visita à Quinta do Bomfim do ministro da Economia, Pedro Siza Vieira.

Em fase avançada de desenvolvimento, o novo restaurante tem abertura prevista para março de 2022 e vai disponibilizar 90 lugares de capacidade, num investimento total de 1,5 milhões de euros. O objetivo é que o novo espaço possa funcionar paralelamente ao pop-up Casa dos Ecos, que passou recentemente a estar aberto durante o ano todo, quando inicialmente se previa que estivesse apenas durante a época alta.

Frederico Mourão, diretor de enoturismo do grupo, esclarece que o novo restaurante vai “complementar a nossa oferta na região e na quinta. A Casa dos Ecos tem uma cozinha mais democrática e uma oferta para um target um pouco inferior ao que queremos que tenha [o novo restaurante]. Queremos ter uma oferta ‘premium’ e ser uma das principais referências de gastronomia do Douro.” A parceria existente na Casa dos Ecos vai estender-se ao novo espaço, cuja oferta gastronómica ficará também sob a responsabilidade do Chef Pedro Lemos.

Charles Symington enalteceu que este reforço no enoturismo é, “não só importante para trazer as pessoas para o Douro, com todos os efeitos positivos que isso tem na economia regional, mas também cria embaixadores dos vinhos do Douro e dos vinhos do Porto. É importante para o Douro haver este aspecto complementar entre turismo e vinho”.

Em 2019, só a Quinta do Bomfim recebeu cerca de 25 mil visitantes, sobretudo de mercados dos Estados Unidos da América, Brasil, França, Reino Unido e Portugal. Neste período pós-pandemia, ambos os responsáveis destacam a procura especialmente de mercados de proximidade, notando, nestes últimos meses, o regresso de “norte-americanos e também de outros países um pouco mais longe de Portugal”.

O grupo tem na sua oferta de enoturismo no Douro também um centro de visitas em Vila Nova de Gaia, o Cockburn’s Port Lodge e o Graham’s Port Lodge, e na Quinta do Vesúvio. Nesta última, o diretor de produção indicou que passa a estar aberta a pequenos grupos de seis pessoas que podem desfrutar da quinta durante um dia inteiro.

Raquel Relvas Neto, num roteiro de enoturismo, a convite do Ministério da Economia.