#Realidadedasempresas: “É imperativo proporcionar ao cliente segurança e flexibilidade para reservas futuras”

#Realidadedasempresas: “É imperativo proporcionar ao cliente segurança e flexibilidade para reservas futuras”

Categoria Alojamento, Business

Numa altura em que muitas empresas, hotéis e restaurantes começam a reabrir, Ambitur.pt quer saber quais os planos que têm para esta “nova normalidade” e quais as maiores dificuldades que terão de enfrentar. José Pereira, general manager do Savoy Palace, admite não ser ainda possível avançar com uma data para a reabertura desta unidade hoteleira localizada no Funchal. E acredita que a retoma da atividade turística neste destino madeirense, e consequentemente no Savoy Palace, regresse “a um nível mais normal em setembro”, mês em que deverá ter lugar a Festa da Flor e do Vinho Madeira.

“Esperamos conseguir atingir, até ao final do ano, um volume de negócios suficiente para cobrir os custos que tivemos durante o ano, uma vez que apesar do fecho do hotel, mantivemos vários custos, nomeadamente com recursos humanos”, revela o gestor. E acrescenta que mantém a expectativa de que “as festividades de fim de ano, que são já tradicionais na Madeira, sejam o ponto de viragem para o cenário que agora enfrentamos”. Mas não deixa de alertar que “a visão mais realista é a de que o volume de negócios existente antes da pandemia da Covid-19 apenas seja atingido em 2022”.

José Pereira lamenta que ao nível de apoios ao setor tenham existido algumas falhas, nomeadamente na sua operacionalização, mas reconhece que esta é uma “altura de exceção” e que, por vezes, “se perdem momentos essenciais na comunicação entre as fases de apresentação de medidas até à sua implementação”. Não deixa porém de elogiar as entidades públicas regionais que “têm sido muito competentes e eficazes na disponibilização de informação e elaboração de regulamentação para permitir as operações turísticas”. Recorda ainda que, desde fevereiro, o Savoy Palace e a marca Savoy Signature contam com um plano interno de contingência “muito abrangente e que dá garantias de uma reabertura nas melhores condições de higiene e segurança para os nossos visitantes”.

E é precisamente com os clientes que o grupo tem mantido “comunicação aberta” e se mostra disponível através dos vários canais para qualquer questão, seja cancelamentos ou adiamento de reservas, bem como novos pedidos para o futuro, incluindo o esclarecimento sobre medidas de higiene e segurança a adotar no momento da reabertura.

Entretanto, a Savoy Signature lançou algumas medidas como a disponibilização de vouchers-oferta bonificados e uma campanha de tarifas flexíveis, duas formas que a marca encontrou para manter ativa a sua oferta e adaptar-se a este período transitório de alguma incerteza. “É imperativo proporcionar ao cliente segurança e flexibilidade para reservas futuras”, sublinha José Pereira.