The House of Sandeman supera expectativas de “volume de vendas e taxa de ocupação”

The House of Sandeman supera expectativas de “volume de vendas e taxa de ocupação”

O The House of Sandeman Hostel & Suites está de parabéns. Foi no passado dia 23 de maio que o primeiro branded hostel do mundo completou o seu primeiro aniversário. Situado num dos edifícios mais emblemáticos do Porto, com 200 anos de história, o projeto surgiu de uma parceria entre a Sogrape Vinhos e o The Independente Collective.

Neste primeiro ano de atividade, Bernardo D´Eça Leal garantiu à Ambitur.pt que as avaliações dos clientes “ultrapassaram a fasquia de 96%”, tendo sido “um orgulho enorme” para toda a equipa. O Founder & Managing Partner do The Independente Collective vai mais longe e faz  um balanço “muito positivo. Ultrapassámos as nossas expectativas de volume de vendas e taxa de ocupação”.

Mas, quem procura o The House of Sandeman Hostel & Suites? Bernardo afirma que o público é “muito variado”. Mais do que pela idade ou nacionalidade, o perfil define-se pelo tipo de “procura de espaços” e “experiências autênticas que faz”. De Portugal aos Estados Unidos, da Coreia do Sul à Nova Zelândia, o perfil mais recorrente do hóspede é o que procura uma estadia num “espaço onde se conhecem outros viajantes com a mesma mentalidade aberta”, que têm preferência em “viver a cidade” e interesse em “aprender com a comunidade local”. Tratando-se de um hostel, a percentagem forte é “entre os 18 e os 25 anos” mas, com “peso significativo” é também o segmento de “55 anos para cima”. Nesta linha, segundo Bernardo, a procura justifica-se pelo facto de ser um “alojamento de carácter mais social e autêntico”. Com a variedade de tipologias, como “dormitório com camas e quarto (suite), conseguimos ter um público muito diverso”, refere o responsável, indicando que essa característica contribui para a “vida e o ambiente que se vive” no The House of Sandeman Hostel & Suites.

Portugal está entre os 10 principais mercados do The House of Sandeman Hostel & Suites traduzindo-se numa receção “muito positiva”, refere Bernardo D’Eça Leal, acrescentado que também no restaurante The George, a aceitação por parte da comunidade local é “muito boa”. Recorrente também tem sido a receção de pessoas que “vieram recomendadas por amigos ou familiares que estiveram hospedados connosco”, acrescenta.

O primeiro ano de atividade também ficou marcado pelos vários reconhecimentos. Neste leque, destaca-se o prémio de Best Wine Tourism, o prémio Hoscar para Best New Small Hostel, atribuído pela Hostelworld assim como, os vários reconhecimentos em meios nacionais e internacionais como um dos melhores Hostels do mundo.

Quatro novos projetos a caminho

Além das operações das unidades de alojamento The Independente Hostel, The Independente Suites, dos restaurantes The Insólito e The Decadente, o grupo The Independente Collective abriu em 2018 uma outra unidade em Lisboa: o The Indy House Rooms & Apartments e o espaço para eventos The Favela. Contudo, o grupo já está a trabalhar ativamente em quatro novos projetos com abertura prevista para 2020 e 2021. Bernardo D’Eça Leal revela que “os projetos dividem-se entre Lisboa, Évora, Tavira e Comporta”, sendo que o grande foco passa por “aumentar a dimensão” e a “variedade do nosso portefólio”, garante.

Quanto aos desafios que se avizinham, o responsável considera que “passam por consolidar a nossa oferta e as operações”, de modo a continuar um percurso de expansão. “Acreditamos que existe muito potencial em Portugal e pretendemos continuar a expandir a nossa oferta de valor com propostas diferenciadas”, sublinha.

Cristiana Macedo