Covid-19: TAP não tem um plano de retoma, mas admite “várias simulações”

Covid-19: TAP não tem um plano de retoma, mas admite “várias simulações”

Categoria Business, Transportes

A TAP Air Portugal esclareceu esta segunda-feira, à Agência Lusa que “não tem um plano” para retomar a atividade, que foi impactada pela pandemia de Covid-19, sublinhando que “há várias simulações que acomodam diversas avaliações da situação”, sem avançar mais informação.

Na sexta-feira, o Jornal de Notícias avançou que a TAP ia retomar a atividade com 71 rotas a partir do aeroporto de Lisboa e três com partida do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. Esta segunda-feira, o presidente do PSD manifestou-se contra uma eventual reativação da operação da TAP com apenas três destinos a partir do Norte, considerando que tal plano transformaria a transportadora numa empresa regional, o que, defendeu, dispensaria apoios do Estado. Também, o Turismo do Porto e Norte manifestou-se “contra” a hipótese de TAP ter apenas três voos a partir do aeroporto do Porto no pós-estado de emergência e o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes da Área Metropolitana do Porto (STTAMP) repudiou esta alegada intenção da companhia, considerando que tal põe em causa o relançamento da economia regional.

No dia 22 de abril, a companhia aérea pediu garantias ao Estado para duas possíveis operações de financiamento, por parte do Haitong e do ICBC Spain, para um total de 350 milhões de euros.

Na missiva, a que a Lusa teve acesso, endereçada à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) e assinada pela Comissão Executiva da transportadora, a TAP faz vários pedidos, tendo em conta a situação resultante da pandemia de covid-19. O grupo estimava, no dia 20 de março, que precisava de 350 milhões de euros até junho para fazer face às necessidades geradas pela crise, que reduziu a atividade a poucos voos essenciais. Já na quarta-feira passada, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, reafirmou no parlamento que o Governo está a avaliar todas as propostas de solução para o problema da TAP, não excluindo qualquer uma delas, incluindo uma nacionalização.

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018. A TAP é detida pelo Estado (50%), pela Atlantic Gateway (45%) e pelos trabalhadores (5%).