Hotelaria no Centro de Portugal está com “forte crescimento” para o Fim de Ano

Hotelaria no Centro de Portugal está com “forte crescimento” para o Fim de Ano

O Fim de Ano vai ser muito positivo para a atividade turística no Centro de Portugal. De acordo com um levantamento efetuado pela Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal (TCP) e partilhado com a imprensa, as “taxas de ocupação médias previstas pelos empreendimentos da região evidenciam um crescimento muito elevado” em relação ao mesmo período do ano anterior.

Para a noite de Fim de Ano, metade dos empreendimentos consultados “estão já lotados ou em vias de ficar lotado”. Os principais destaques vão para a sub-região de Castelo Branco, com uma taxa de ocupação em hotelaria, na noite de 31 de dezembro, na ordem dos 91,8%. Igualmente significativas são as taxas de ocupação, para a mesma noite, nas sub-regiões Oeste (86,6%), Viseu Dão Lafões (86,3%), Serra da Estrela (83,4%), Coimbra (82,8%) e Aveiro (77,8%). Se forem incluídos os alojamentos em espaço rural (TER), a taxa global de ocupação para a noite de fim-de-ano é de 72%. Este número reflete as camas já efetivamente vendidas, pelo que, a 13 dias do último dia do ano, as expectativas são de que até lá se verifique ainda uma subida considerável.

Em comparação com 2018, a noite de 31 de dezembro, só em hotelaria, regista um forte crescimento, com destaque para as sub-regiões Oeste (mais 16%), Aveiro (mais 12%) e Leiria (mais 12%).

Para um período mais alargado de análise, destacam-se igualmente as “elevadas taxas de ocupação médias esperadas nos empreendimentos” do Centro de Portugal para o fim-de-semana de 27 e 28 de dezembro, com o “aumento a ser muito visível na Serra da Estrela”, com taxas muito relevantes ao longo de todo este período de festas, assim como nas sub-regiões de Coimbra e do Oeste.

Para este levantamento, foram consultados todos os empreendimentos turísticos da região Centro de Portugal, num universo de 1024 empreendimentos turísticos com capacidade para 47.799 camas. A amostra que corresponde às respostas é de 14% do número de empreendimentos e 22% do total das camas disponíveis.

Foto cedida pelo Turismo Centro de Portugal