IATA: crescimento da procura de passageiros abranda em março

IATA: crescimento da procura de passageiros abranda em março

A IATA anunciou os resultados do tráfego de passageiros no mês de março de 2019 indicando que a procura (medida em RPKs) aumentou 3,1% comparado quando comparado com igual mês de 2018, que foi o ritmo mais lento de qualquer mês dos últimos nove anos. Isso deve-se em grande parte ao período das Férias da Páscoa este ano, que aconteceu quase um mês mais tarde do que no ano passado. O ritmo de crescimento tem estado relativamente estável desde outubro de 2018, a uma taxa de 4,1% anual. A capacidade (ASKs) do mês de março subiu 4,2% e o load factor caiu 0,9 pontos percentuais para 81,7%.

“Apesar do crescimento do tráfego ter abrandado significativamente em março, não vemos o mês como um indicador para o resto de 2019. No entanto, o panorama económico tornou-se menos favorável, com o FMI a ter revisto em baixo recentemente a sua previsão do PIB pela quarta vez no último ano”, afirma Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

Mercados internacionais de passageiros
A procura de passageiros internacionais em março aumentou 2,5% face a março de 2018, o que equivale a uma descida do crescimento homólogo de 4,5% registado em fevereiro e é quase cinco pontos percentuais abaixo do seu ritmo médio dos últimos cinco anos. Todas as regiões revelaram crescimento, à exceção do Médio Oriente. A capacidade total subiu 4% e o load factor diminui 1,2 pontos percentuais para 80,8%.

As companhias aéreas europeias viram um aumento da procura de março de 4,7% face a igual mês do ano passado, uma descida do crescimento anual de 7,5% em fevereiro. O resultao reflete, em parte, a quebra da confiança empresarial na Zona Euro e a incerteza acerca do Brexit. A capacidade em março subiu 5,4% e o load factor deslizou 0,6 pontos percentuais para 84,2%, que continua a ser o mais elevado entre as regiões.

O tráfego das transportadoras da Região da Ásia Pacífico aumentou 2% em março, o que representa uma queda do aumento de 4% de fevereiro. Porém, os resultados foram mais fortes com o ajuste sasonal. A capacidade cresceu 4% e o load factor caiu 1,6 pontos percentuais para 80,1%.

A procura por parte dos passageiros em relação às companhias do Médio Oriente diminuiu 3% em março, o que representa o segundo mês consecutivo de tráfego em queda. Tal reflete, segundo a IATA; as alterações estruturais mais amplas da indústria que têm ocorrido na região. A capacidade aumentou 2,3% e o load factor mergulhou 4 pontos percentuais para 73,8%.

As companhias aéreas norte-americanas registaram um aumento de 3% no tráfego em março face a igual mês do ano passado, descendo do crescimento homólogo de 4,2% registado em fevereiro. Numa base sasonal ajustada, o tráfego tem contudo tido tendência a subir. A capacidade aumentou 2,6% e o load factor subiu 0,3 pontos percentuais para 83,7%.

As transportadoras da América Latina registaram o crescimento de tráfego mais acelerado nos 5,5%, subindo dos 4,6% reistados em fevereiro. A capacidade de março cresceu 5,8% e o load factor diminuiu 0,2 pontos percentuais para 81,9%. A América Latina foi a única região a revelar um aumento na taxa de crescimento homóloga em março, quando comparada com fevereiro. Em termos ajustados sazonais o tráfego continua a apontar para cima, não obstante a incerteza económica e política em alguns países importantes.

Por fim, as companhias aéreas africanas sofreram um aumento da procura de 2,1% face a março de 2018, uma descida de 2,5% em relação a fevereiro. A capacidade subiu 1,1% e o load factor 0,7 pontos percentuais para 71,4%.