Indústria de viagens deve adoptar um pensamento ‘lean’

Categoria Advisor, Opinião

Um novo estudo lançado hoje exorta as empresas de viagens a adoptar e aplicar os princípios de pensamento “lean” em todas as TI e operações, a fim de criar uma indústria que pode detectar melhor, entender e responder às necessidades aos clientes cada vez mais complexas e em mudança.

 

“Cleared for take-off”, escrito pelo consultor de inovação James Woudhuysen, e encomendado pela Amadeus, argumenta que somente abraçando o pensamento “lean” em TI, e removendo aquelas actividades que não criam valor para o cliente, a indústria pode também ter mais controle sobre a complexidade e os custos do sistema. Talvez crucialmente, com o advento da rápida mudança nas preferências dos consumidores, a proliferação das opções de pesquisa, reserva e inventário, novas tecnologias, e os ciclos de inovação mais curtos do que nunca, o artigo argumenta que as empresas de viagens precisam de adoptar o pensamento “lean” agora – ou arriscam ficar para trás. Segundo o comunicado, o pensamento “lean”significa cortar com os desperdícios e eliminar ineficiências, simultaneamente aumentando a eficácia e valor para o cliente. Ao aplicar esses princípios para TI na indústria de viagens, o estudo defende que as empresas podem oferecer funcionalidades mais variadas e mais inteligíveis para os clientes de maneiras que melhor atendam às suas necessidades e também melhorar a experiência de viagem.

Da mesma forma, o pensamento “lean” também pode libertar recursos que permitem às empresas para trazer inovações ao mercado mais rapidamente. Adoptar o pensamento “lean” também significa definir os indicadores de eficácia com base em dados objectivos; compreender a origem dos problemas; dar poder de decisão às pessoas que realmente executam os processos de TI, e interpretar de forma proactiva os dados do cliente, de modo a melhorar o valor do cliente.

Finalmente, metas e objectivos de gestão devem reflectir o objectivo do cliente, e não preconceitos da organização. Segundo James Woudhuysen, autor do relatório, &os princípios do “lean”, que foram pioneiros pela indústria de manufacturação em 1980, estão agora a ser aplicados a TI e operações dentro das indústrias baseadas em serviços. A ideia é não só eliminar o desperdício e aumentar a eficiência, mas também, e mais importante ainda, aumentar a eficácia e criar valor real para o cliente.

 

Os passageiros, fornecedores de viagens e vendedores de viagens esperam que as TI no sector das viagens melhorem continuamente. Estão acostumados a estabilidade do sistema on-line; mas também esperam interfaces de utilizador que melhor para antecipem a procura por determinados tipos de viagem. Querem soluções entregues rapidamente, e esperam novas aplicações a preços razoáveis. O pensamento “lean” em TI tem o poder de solucionar muito disto e transformar a indústria no processo.

 

Para Wolfgang Krips, EVP, Global Operations, Amadeus, &dentro das operações globais da Amadeus, temos que reconhecer que o pensamento “lean” envolve uma mudança no estilo de gestão: este já não é sobre orientar as pessoas, como num modelo de comando e controle clássico de produção, mas sim sobre nutrir proactividade e reactividade para alavancar recursos intelectuais da organização. Isto significa que podemos ganhar escala rapidamente à medida que trabalhamos com os nossos clientes e parceiros para moldar o futuro das viagens. Na Amadeus já estamos a utilizar uma abordagem “lean” nas nossas operações globais de TI para fortalecer ainda mais a nossa posição de liderança no fornecimento e implantação de soluções inovadoras usadas por algumas das maiores marcas de viagens do mundo&.