Lagoa:  Uma viagem através do vinho

Lagoa: Uma viagem através do vinho

Quem passa férias em Lagoa vem sobretudo em busca de sol e praia. Há uma Lagoa que a maior parte conhece, a da orla recortada com as suas praias e paisagens costeiras deslumbrantes, a da variadíssima oferta hoteleira de qualidade e da prática do golfe.

Mas visitar Lagoa é igualmente ter a oportunidade de degustar um tesouro de iguarias e néctares. Sim, Lagoa também é terra de vinho!

A ligação de Lagoa ao vinho remonta a tempos imemoráveis. Numa história iniciada há 2500 anos, Fenícios, Cartagineses, Romanos e Árabes sempre reconheceram no território que hoje é o concelho de Lagoa, condições únicas para a cultura da vinha, o consumo do vinho e, mais tarde, para a sua exportação.

O Algarve tem assistido a uma valorização e qualificação crescente da oferta enoturística nos últimos anos. Na principal região turística do país, Lagoa desponta como uma referência desse crescimento. A autarquia reconhece a importância estrutural do enoturismo envolvendo-se regularmente em ações de benchmarking e organizando iniciativas técnicas de reflexão e partilha.

Em torno do vinho, da vinha, da gastronomia, das tradições, da arte, de produtos artesanais ou da cultural local enraízam-se valorosos projetos enoturísticos de produtores de vinho de Lagoa, como a Adega Única, Monte de Salicos, Morgado do Quintão, Quinta dos Santos ou a Quinta dos Vales, que aliam às tradicionais provas de vinho e visitas às quintas, experiências genuínas e memoráveis como a visita a uma das mais antigas adegas do país, a criação artística ou a secular história de uma vinha familiar.

Em Lagoa, encontra o apelo do terroir de uma região onde os laços cada vez mais fortes entre a indústria vinícola e a indústria turística sedimentam a qualidades dos serviços da oferta enoturística que goza já de características naturais do território como a paisagem ou o clima agradável.

Este artigo foi publicado na edição 331 da Ambitur.