Luís Araújo: “É necessário usar todos os recursos para sobreviver e preparar já a retoma”

Luís Araújo: “É necessário usar todos os recursos para sobreviver e preparar já a retoma”

Categoria Advisor, Política

O presidente do Turismo de Portugal estreou-se ontem na plataforma Slack para se juntar ao #JointheFuture, uma iniciativa do NEST – Centro de Inovação do Turismo, com o objetivo de responder às dúvidas e aceitar as sugestões de vários players do setor, no contexto de pandemia que se vive. Luís Araújo sublinhou a necessidade de se preparar o futuro. Mas, afinal, de que futuro falamos nós?

O #JointheFuture reuniu cerca de 588 intervenientes que não perderam a oportunidade de se juntar à conversa com Luís Araújo, interpelando-o sobre medidas de apoio, linhas de crédito, lay-off, previsão de reabertura de fronteiras e tendências para o futuro do Turismo pós-crise.
O presidente do Turismo de Portugal manteve um discurso positivo e procurou dirigir as atenções para o futuro do setor: “Não nos esqueçamos que esta situação é mundial… Por isso, precisamos começar já a preparar o que virá daqui a uns meses e confiar que será positivo para nós.”

O Turismo de Portugal tem mantido contato com organismos internacionais e até concorrência direta e Luís Araújo assegura que “todos sentimos o mesmo”, ou seja, “que será uma questão de tempo” até a situação do surto de pandemia se resolver e o setor voltar à dita normalidade. Todos esperam que esta “paragem forçada seja o mais breve possível daí as medidas [do TP] estarem pensadas num formado de três meses”.

O foco é então a “sobrevivência” das empresas, nestes meses mais conturbados, e depois “começar a preparar o futuro”. Segundo o responsável a linha de microcrédito, com prazos longos e sem juros, tem tido uma “procura fantástica” tendo já ultrapassado as 2k empresas (micro e em nome individual) em apenas uma semana. Luís Araújo considera ainda existirem “muito boas” linhas de financiamento disponibilizadas pelos Bancos. Efetivamente, existem já várias medidas de apoio ao setor e Luís Araújo recomenda que todos as “revejam e proponham novas” porque este é um “trabalho evolutivo”.

Ao Turismo de Portugal cabe “disponibilizar o máximo de informação e permitir a todos mais formação e acompanhamento”. Neste sentido, o responsável indica como fontes de informação, sobre medidas e apoios, o site do Turismo de Portugal, o endereço COVID19estamosON.gov.pt (secção FAQs) e a Ordem dos Contabilistas. Em termos de formação, no decorrer desta semana a Entidade, em conjunto com o NEST, vai dar início a um conjunto de webinares sobre diversos temas.

Outra preocupação é “assegurar a pole position” pelo que as delegações no estrangeiro estão a compilar informação e já estão a ser pensadas “campanhas, meios, conteúdos e mensagens” a transmitir durante e pós-crise. A “estratégia vai ser mais essencial que nunca”, realça o responsável, “a revisão tem de ser feita mas também é preciso estabilidade e alguma sequência”.

Preparar a retoma turística
Para a retoma turística muito irá contribuir “mais coesão, maior coordenação de esforços públicos e privados e aposta na tecnologia”, defende o presidente do Turismo de Portugal. O digital terá um papel fundamental o que não é sinónimo de “fazer mais com menos pessoas mas sim focar as pessoas no essencial” . O teletrabalho, por exemplo, não será apenas um recurso a ser utilizado em tempo de quarentena: “Já todos estamos a sentir que o facto de trabalharmos à distância muda os procedimentos, a maneira de trabalhar, a ligação entre nós”, reflete o responsável, pelo que vai ser “cada vez mais o habitual”, equaciona.

A par do presidente da RTA, também Luís Araújo admite que Portugal e Espanha serão o “primeiro ponto de retoma” do Turismo no país, até pela questão da retoma da normalidade da aviação, com a análise dos vários mercados a desempenhar um papel “essencial” através da informação disponível na platafoma TravelBI. Também produtos turísticos integrados com diferentes regiões como as redes colaborativas (EN2, Aldeias Históricas e de Xisto, etc.) e que constituiram apostas recentes do Turismo de Portugal como Enoturismo, o Turismo Industrial e o Militar, serão “essenciais na retoma”.

Já na reta final da conversa, o presidente do Turismo de Portugal pediu foco na atividade turística e no que temos de fazer para ultrapassar esta situação, relevância naquilo que é importante para as empresas e valor no sentido de como podemos acrescentá-lo às empresas, garantindo que “o País como um todo tem um potencial enorme se trabalhar em conjunto”.

Luís Araújo deixou também um apelo: “Sermos todos construtivos nesta altura. Pensar nas medidas como algo evolutivo e dar feedback para a sua melhoria mas com pensamento positivo” pois confia que “temos os melhores recursos para sair na linha da frente” desta crise que abala o Turismo em todo o Mundo.

Rita Inácio