Polacos, italianos e norte-americanos invadem Centro de Portugal

Polacos, italianos e norte-americanos invadem Centro de Portugal

Os turistas provenientes de países menos habituais são cada vez mais frequentes no Centro de Portugal. Essa é uma das conclusões que podem ser retiradas da leitura dos dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), referentes à origem de quem visitou a região entre janeiro e setembro de 2017, refere o Turismo Centro de Portugal (TCP), em comunicado.

O país que mais se destaca na análise é a Polónia. Nos primeiros nove meses do ano, o número de dormidas de cidadão oriundos deste país mais que duplicou, em comparação com o mesmo período de 2016: registou um crescimento de 131,66%, para 121.057 dormidas. Não menos notável é o aumento de dormidas com origem em Itália, que cresceu 73,72%, para 183.301; Estados Unidos, que subiu 69,18%, para 101.202; e Brasil, que progrediu 46,74%, para 149.648.

Em valores absolutos, verifica-se que Espanha continua, naturalmente, a ser o país de onde chegam mais visitantes para o Centro de Portugal, com um total de 536.737 dormidas do país vizinho entre janeiro e setembro (quota de 14,10). Em segundo lugar, surgem os franceses (302.526, quota de 7,95). A grande surpresa é Itália, que é já o terceiro país emissor de dormidas para a região, com uma quota de 4,81. Seguem-se, por esta ordem, Brasil, Alemanha, Polónia, Estados Unidos, Reino Unido, Holanda e Escandinávia. De assinalar que as dormidas de visitantes de outros países que não integram este “top dez” cresceram, de forma global, 38,20%, o que significa que há cada vez turistas de países menos tradicionais a deixarem-se encantar pelo Centro de Portugal.

Um dado importante é o facto de o total de visitantes estrangeiros ser praticamente idêntico ao dos nacionais, em dormidas no Centro de Portugal: 2,21 milhões de fora do país e 2,27 milhões de turistas nacionais. O mercado interno cresceu 2,65% (+58.578 dormidas) e o mercado externo 27,39% (+475.221 dormidas). No total, entre janeiro- setembro de 2016 e janeiro-setembro de 2017, há a registar o aumento de 533.799 dormidas.

Esta verdadeira “invasão” estrangeira no Centro de Portugal reflete-se, como não poderia deixar de ser, de forma muito positiva nas receitas dos estabelecimentos hoteleiros. Assim, no período janeiro-setembro de 2017, os proveitos globais das unidades turísticas cresceram 17,9%, para 212,6 milhões de euros, relativamente ao mesmo período do ano passado. O mesmo acontece no rendimento de cada quarto disponível (+19,6%) e na taxa de ocupação dos quartos, que subiu 4,7%.

“Estes resultados comprovam que a aposta do Turismo Centro de Portugal em mercados menos habituais está a dar frutos extremamente positivos. Visitantes provenientes de uma gama alargada de países estão a descobrir a nossa região, numa tendência que tem vindo a crescer. Este é o caminho que queremos trilhar, para que a diversidade e a riqueza de experiências que o Centro de Portugal tem para oferecer alcance cada vez mais pessoas, em todos os cantos do mundo”, considera Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal.