Ryanair anuncia redução de 250 postos de trabalho nos escritórios de Dublin, Stansted, Madrid e Wroclaw

Ryanair anuncia redução de 250 postos de trabalho nos escritórios de Dublin, Stansted, Madrid e Wroclaw

Categoria Business, Transportes

A Ryanair confirmou hoje que reduziu mais de 250 postos de trabalho nos seus escritórios de Dublin, Stansted, Madrid e Wroclaw, através de uma combinação de cessação de contratos de estágio/prazo determinado, demissões e despedimentos. Estes trabalhadores não regressarão ao trabalho no dia 1 de junho, data em que reabrem os escritórios da Ryanair. Estas reduções de postos de trabalho devem-se à diminuição substancial de tráfego que o Grupo Ryanair enfrenta durante o ano de 2020.

O grupo Ryanair operou menos de 1% da sua programação normal de voos durante os meses de abril, maio e junho, e esta semana anunciou que apenas retomará 40% dos seus voos regulares a partir do mês de julho. A Ryanair espera agora transportar menos de 100 milhões de passageiros, menos 35% do seu objectivo de transportar mais de 155 milhões de passageiros durante o ano fiscal da companhia que termina em março de 2021.

Darrell Hughes, People director da Ryanair, afirmou: “Este é um momento muito doloroso para a Ryanair, para as nossas tripulações e para os nossos trabalhadores que apoiam as operações nos nossos escritórios de Dublin, Stansted, Madrid e Wroclaw. Esperamos reabrir os nossos escritórios a partir de 1 de junho, no entanto, não será possível contar com o mesmo número de elementos nas equipas de apoio, uma vez que transportaremos menos de 100 milhões de passageiros, contra uma previsão inicial de 155 milhões.

Lamentavelmente, somos obrigados a reduzir alguns postos de trabalho em Dublin, Stansted, Madrid e Wroclaw, adequando as nossas equipas de apoio ao ano em que transportaremos menos de 100 milhões de passageiros, devido à crise da Covid-19. Estas perdas de postos de trabalho foram comunicadas individualmente aos elementos das equipas ao longo desta semana, pelo que estes trabalhadores não voltarão aos nossos escritórios de Dublin, Stansted, Madrid ou Wroclaw no dia 1 de junho.

Continuamos a reunir-nos com os nossos sindicatos de pilotos e tripulantes de cabina em toda a Europa para finalizar a redução de até 3000 postos de trabalho e cortes salariais de 20%, uma vez que esperamos operar apenas 40% da nossa programação de voos a partir de julho. A Ryanair enfrenta também uma intensa concorrência de tarifas em toda a Europa, uma vez que somos obrigados a competir com as companhias aéreas de bandeira que receberam mais de 30 mil milhões de euros de subsídios estatais ilegais por parte dos seus governos, permitindo-lhes operar com tarifas baixas durante muitos anos, beneficiando-se de auxílios estatais ilegais.

São esperados outros anúncios de perdas de postos de trabalho e cortes salariais da tripulação da Ryanair até ao final de maio, devido às atuais restrições de voos”.