Setor apela aos Eurodeputados que votem para aprovação do Intergrupo de Turismo Sustentável

Setor apela aos Eurodeputados que votem para aprovação do Intergrupo de Turismo Sustentável

Categoria Advisor, Política

O setor turístico apela aos membros do Parlamento Europeu para que votem, no seio dos seus grupos políticos, no sentido de apoiarem o restabelecimento do Intergrupo de Turismo Sustentável. Atendendo à sua natureza horizontal, ao seu impacto na economia da UE, e aos seus múltiplos desafios, o turismo merece ser ouvido através de um intergrupo próprio, indica a NET – Network for the European Private Sector in Tourism, plataforma que integra as diversas confederações europeias das atividades turísticas, designadamente a ECTAA, de que a APAVT faz parte.

Em termos económicos, o turismo é a terceira maior atividade socioeconómica na Europa, e a espinha dorsal a Economia da União Europeia. Representa 27,3 milhões de empregos, incluindo 13 milhões de empregos diretos para a economia da UE, dois milhões de empresas, e contribui cerca de 10% para o PIB da UE.

Entre 2014 e 2019, o Intergrupo de Turismo provou ter um importante papel na coordenação de todas as áreas impactadas pelo Turismo, contribuindo para o crescimento económico e de empregos na Europa. O Intergrupo cobriu diversos tópicos, incluindo a gestão de Vistos e de Fronteiras, sustentabilidade, digitalização, economia das plataformas, alimentação, saúde, protecção do consumidor, taxas turísticas e acessibilidades, entre outros.

A nota de imprensa divulgada hoje refere que ao votar pelo restabelecimento do intergupo, “estar-se-á a fomentar uma troca de pontos de vista, de forma construtiva e coordenada, entre os eurodeputados de diversos comités e outros stakeholders da UE em tópicos-chave, o que conduzirá a recomendações políticas equilibradas”.

O Intergrupo possibilitará um pensamento conjunto entre transporte, energia, turismo, e política regional e assim permitirá um compromisso mais alargado sobre matérias de sustentabilidade. (ex. Metas de emissões), defende a NET.