IATA pede testes sistemáticos e rápidos à Covid-19 antes dos voos

IATA pede testes sistemáticos e rápidos à Covid-19 antes dos voos

A IATA – Associação Internacional do Transporte Aéreo pede o desenvolvimento e implementação de testes à Covid-19 sistemáticos, rápidos, precisos, acessíveis, simples e ajustáveis a todos os passageiros antes de embarcarem como alternativa a medidas de quarentena para restabelecer a conectividade aérea a nível global. A IATA vai trabalhar com a ICAO (Organização Internacional da Aviação Civil e com as autoridades de saúde para implementarem esta solução rapidamente.

As viagens internacionais caíram 92% face aos níveis de 2019. Já passou meio ano desde que a conectividade global foi destruída quando os países encerraram as suas fronteiras para combater a Covid-19. Alguns governos já reabriram com cautela as suas fronteiras mas a recuperação foi limitada quer devido a medidas de quarentena ou a alterações frequentes nas medidas Covid-19 que tornam qualquer planeamento impossível, refere a IATA.

“A chave para restaurar a liberdade da mobilidade entre fronteiras é testar sistematicamente todos os passageiros antes de partirem. Isto dará aos governos a confiança para abrirem as suas fronteira sem modelos de risco complicados. Testar todos os passageiros permitirá voltar a dar às pessoas a sua liberdade de viajarem com confiança. E isto levará milhões de pessoas a voltarem a trabalhar”, afirma Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

O custo económico do colapso da conectividade global, diz a associação, faz com que investir numa solução de testagem e de reabertura de fronteiras seja uma prioridade para os governos. O sofrimento humano e a prejuízo económico global da crise serão prolongados se a indústria da aviação – da qual dependem, pelo menos, 65,5 milhões de postos de trabalho – ruir antes da pandemia terminar. E o volume de apoio governamental necessário para impedir tal colapso está a aumentar. A IATA lembra que já se prevê que as receitas perdidas superem os 400 mil milhões de dólares e a indústria deverá registar um recorde de prejuízo bruto acima dos 80 mil milhões de dólares em 2020, isto num cenário de retoma mais otimista.

“A segurança é a principal prioridade da aviação. Somos o meio de transporte mais seguro porque trabalhamos juntos como indústria com os governos para implementar padrões globais. Com o custo económico associado aos encerramentos de fronteiras a aumentarem diariamente e uma segunda vaga de infeções a ter lugar, a indústria da aviação tem de usar esta experiência para se reunir a governos e forneceores de testes clínicos para encontrar uma solução de testagem rápida, precisa, acessível, simples e ajustável que permita que o mundo volte a ligar-se e recupere”, acrescenta de Juniac.

Opinião Pública
A pesquisa de opinião pública da IATA revela um forte apoio aos testes Covid-19 no processo de viagem. Cerca de 65% dos passageiros inquiridos concordam que a quarentena não deve ser exigida se testarem negativo para a Covid-19.

O apoio dos passageiros à realização de testes é evidente nos seguintes resultados do inquérito:
– 84% concorda que os testes devem ser exigidos a todos os passageiros;
– 88% concorda que estão dispostos a submeter-se a testes como parte do processo de viagem.

Além da abertura de fronteiras, o inquérito indica que testar ajudará a reconstruir a confiança dos passageiros na aviação. Os inquiridos identificaram a implementação de medidas de monitorização da Covid-19 para todos os passageiros como eficazes para que se sintam seguros, logo seguidas do uso de máscara. E a disponibilidade de testes rápidos à Covid-19 está ehtre os três principais sinais que os passageiros apontam para sentirem que viajar é algo seguro (juntamente com a disponibilização de uma vacina ou de um tratamento para a Covid-19).

Foto WTTC