Museu de Lamas apresenta nova imagem celebrando a entrada na Rede Portuguesa de Museus

Museu de Lamas apresenta nova imagem celebrando a entrada na Rede Portuguesa de Museus

O Museu de Lamas, no concelho de Santa Maria da Feira, divulga em comunicado uma nova identidade visual. Um ano depois de ter integrado a Rede Portuguesa de Museus (RPM), assumindo o objetivo de se transformar num centro cultural de referência, multidisciplinar, que alia futuro, tradição e memória, o novo logótipo continua a integrar uma representação das arcadas da fachada principal do edifício, contruído nos anos 50 do século XX, mas agora com linhas mais simples, em vermelho escuro. O grafismo foi concebido pela empresa AD Communication que procurou valorizar a história do museu e, simultaneamente, responder ao seu novo ciclo de modernidade, no que o vermelho reflete o legado da casa, o seu património único e a sua inovação enquanto espaço de grande valia cultural e pedagógica.

Para Susana Ferreira, “este é um ponto de viragem na história do Museu e um novo marco na cronologia, quinze anos após o início da recuperação, reorganização e relançamento”. A diretora do Museu de Lamas acrescenta ainda que, “este é um edifício que alberga um espaço socialmente ativo, cultural e pedagogicamente relevante, pela evocação de histórias e estórias, contribuindo para aprofundar e divulgar, através do seu acervo e dinâmica interpretativa, o conhecimento do património artístico, científico, industrial, histórico e etnográfico local, municipal, regional, nacional e mesmo internacional”.

A acompanhar esta nova dinâmica, está a apresentação da nova atividade “Restauro ao Vivo no Museu” que decorrerá entre julho e setembro. “O objetivo é oferecer experiências, conteúdos diferenciadores e oportunidades de aprendizagem e conhecimentos, aumentando assim a interação com o público e consciencializando para a preservação do espólio”, afirma a responsável.

Popularmente conhecido de “Museu da Cortiça”, o Museu de Lamas, fundado por Henrique Amorim (1902-1977), benemérito e industrial da cortiça, apresenta coleções de Arte Sacra, Estatuária Portuguesa, Etnografia, Ciências Naturais, Escultura em Cortiça/aglomerado de Cortiça e Arqueologia industrial.